Ruanda investiga envolvimento da França no genocídio de 1994 | NOTÍCIAS | DW | 02.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Ruanda investiga envolvimento da França no genocídio de 1994

Foi aberto um inquérito formal a 20 franceses suspeitos de envolvimento no massacre levado a cabo por extremistas hutus no Ruanda, há 22 anos. Morreram mais de 800 mil pessoas, a maioria da etnia tutsi.

O inquérito permitirá ao Ministério Público decidir "se os indivíduos em causa deverão ou não ser formalmente acusados", disse o procurador-geral ruandês, Richard Muhumuza. As autoridades francesas já foram contactadas e o Ruanda espera "total cooperação".

Menos otimista está Gerd Hankel, especialista do Instituto de Investigação Social na cidade alemã de Hamburgo, que diz ter a certeza de que não haverá cooperação.

"A investigação só será bem sucedida se a França cooperar. E a França só o vai fazer sob pressão internacional, se as provas apresentadas pelo Ruanda forem convincentes à primeira vista. As provas até agora apresentadas não foram de todo convincentes", explica.

Ouvir o áudio 03:48
Ao vivo agora
03:48 min

Ruanda investiga envolvimento da França no genocídio de 1994

As acusações sobre a alegada participação da França no genocídio não são novas. Phil Clark, politólogo da Escola de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres, acredita que Kigali já teve tempo para amadurecer o caso.

"Só se o Ruanda tiver a certeza de que tem provas legais sobre o envolvimento da França de 1994 é que está pronto para lançar esta investigação", diz.

Sinais de alarme ignorados?

A França era aliada do regime nacionalista hutu do Presidente Juvenal Habyarimana. O abatimento do seu avião sobre Kigali, a 6 de abril de 1994, desencadeou 100 dias de carnificina.

A França é acusada de não ter visto ou de ter ignorado os sinais de alarme e de ter treinado soldados e milícias que levaram a cabo massacres. É também acusada de ter usado a sua influência diplomática para impedir uma ação efetiva e, quando finalmente enviou tropas para o Ruanda, na "Operação Turquesa", só o terá feito para impedir o avanço dos rebeldes tutsi e para permitir aos autores do genocídio fugir para a República Democrática do Congo.

O politólogo Phil Clark não tem dúvidas: "A França está profundamente envolvida no genocídio". Na opinião do professor da Escola de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres, a investigação criminal é "um passo muito importante" para chamar a atenção da comunidade internacional para o papel que a França teve no genocídio. "Sem a França, provavelmente não teria tido a forma que teve", sublinha.

Bildergalerie Genozid in Ruanda Operation turquoise

"Operação Turquesa": França enviou tropas para o Ruanda em 1994

Gerd Hankel acredita que a investigação deverá deteriorar as relações entre os dois países. "Estou certo de que o relacionamento vai continuar a arrefecer. A França fará tudo o que for possível para, no plano diplomático, prejudicar o Ruanda", prevê o especialista.

A França rejeita o envolvimento no genocídio que matou mais de 800 mil pessoas em 100 dias, em 1994. Os responsáveis franceses dizem que a culpa tem de ser partilhada por toda a comunidade internacional.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados