Rezar, sim, mas sem incomodar | NOTÍCIAS | DW | 30.04.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Rezar, sim, mas sem incomodar

Governo do Gana quer que mesquitas façam as chamadas para oração através de aplicações como o WhatsApp. O objetivo é reduzir a poluição sonora, mas população opõe-se.

(Foto ilustrativa)

(Foto ilustrativa)

A chamada para oração é escutada várias vezes ao dia na zona central de Acra, no Gana - algo comum em comunidades onde vivem muçulmanos. Mas o Governo acusa igrejas e mesquitas de produzirem barulho excessivo. Em causa estão os altifalantes que contribuem para a poluição sonora que afeta várias cidades africanas.

O ministro encarregado do Ambiente, Frimpong Boateng, está a pedir às mesquitas que chamem as pessoas para as orações através de mensagens de texto ou aplicações como o WhatsApp.

"Porque é que a mesquita não pode fazer a chamada para a oração por mensagem ou WhatsApp? O imã mandava uma mensagem como 'Olá, está na hora de rezar, aparece!'. Eu acho que isso iria ajudar a reduzir o barulho", sugere Boateng.

O ministro admite que a ideia pode ser controversa, mas acha que essa via devia ser considerada e assim garantir às cidades um ambiente mais tranquilo.

Ouvir o áudio 02:28

Rezar, sim, mas sem incomodar

Religiosos e população discordam

Sheik Usan Ahmed é imã na mesquita local de Fadama, onde se faz várias chamadas à oração por dia. Concorda que o nível de ruído devia ser reduzido. Mas para ele, fazê-lo por mensagem não é opção.

"Os imãs não são pagos, onde iriam buscar o dinheiro para fazer isso? Não é possível, não acho que temos de fazer isso. Tentamos fazer o que é possível", explica.

Entre os habitantes do Gana, a posição é clara em relação a este assunto. Estão do lado dos religiosos, e não vêm o barulho dos altifalantes como problemático. Outros dos argumentos é a falta de acesso generalizado às redes sociais e equipamentos de comunicação. Uma cidadã refere que a ideia é que a oração chegue o mais longe possível, algo que o WhatsApp não permite.

O Governo pretende mesmo pôr em prática leis que regulem grupos religiosos que causem muito ruído. Mas é incerto se estas reformas seriam aplicadas rapidamente pelas mesquitas. Esta iniciativa também deverá alargar-se às igrejas, que, tal como as mesquitas, usam megafones para a oração.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados