Refugiados ruandeses acusam embaixada de ser ″centro operativo″ de crimes | Moçambique | DW | 25.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Refugiados ruandeses acusam embaixada de ser "centro operativo" de crimes

Os refugiados ruandeses em Moçambique acusam a embaixada do Ruanda de estar implicada nos assassinatos e raptos dos seus conterrâneos dissidentes do regime de Kigali.

A representação diplomática do Ruanda em Moçambique é vista como um "centro operativo" que ordena as execuções e sequestros de dissidentes ruandeses pela Associação dos Refugiados Ruandeses.

Em entrevista à DW, o presidente da associação, Cleophas Habiyareme questiona também o silêncio da comunidade internacional face aos repetidos crimes que nunca foram esclarecidos.

DW África: A comunidade internacional permanece calada face aos assassinatos e sequestros de dissidentes e jornalistas ruandeses que acontecem um pouco por todo o mundo. Espera algo diferente no caso de Revocat Karemangingo?

Cleophas Habiyareme (CH): É muito triste porque realmente a comunidade internacional devia intervir e pedir a Moçambique para clarificar todos esses casos. São muitos casos, muitas vozes que pedem socorro e que pedem justiça e o meu desejo é que houvesse essa intervenção internacional.

DW África: Como cidadão ruandês, confia na embaixada do seu país em Moçambique?

CH: Posso dizer que a embaixada está implicada em tudo o que tem acontecido. Nesses desaparecimentos, assassinatos.... A Embaixada do Ruanda aqui em Moçambique está por dentro desses acontecimentos.

Cleophas Habiyareme | Präsident der Association of Rwandan Refugees in Mosambik

Cleophas Habiyareme, presidente da Associação dos Refugiados Ruandeses em Moçambique

DW África: Então acredita que a Embaixada seja uma espécie de "centro operativo" dos assassinatos e dos sequestros dos ruandeses em Moçambique?

CH: Sim, acredito que sim.

DW África: Se não acontecer nada e nenhuma instância internacional se pronunciar qual será o próximo passo da Associação dos Ruandeses Refugiados em Moçambique?

CH: É muito difícil responder a essa questão. Já são muitos casos e nós, enquanto refugiados, não podemos fazer nada. A comunidade internacional tem responsabilidades de, nestes casos, tentar perceber o que está a acontecer aqui em Moçambique. Não sei o que vamos fazer a seguir mas , de facto, se a comunidade internacional não fizer nada, está a criar uma situação complica. Nós também somos seres humanos e se não se fizer nada, irá acontecer o pior.

DW África: A nível de Moçambique tem havido interesse da sociedade civil em apoiar a comunidade ruandesa a esclarecer esses casos, nomeadamente o Centro para a Democracia e Desenvolvimento (CDD). Que resultados já saíram desses encontros?

CH: Sim, de facto a sociedade civil aqui está a ajudar assim como os próprios meios de comunicação também. Mas, até hoje, mesmo com esse apoio do CDD e de jornalistas, não estamos a ver nenhuma reação do governo.

DW África: Kagame terá entregue uma lista ao Presidente Filipe Nyusi com vinte nomes de pessoas que procura. Sabe alguma coisa sobre essa lista?

CH: Na verdade, ouvimos dizer que há uma lista, mas essa lista não é "oficial". Se a memória não me falha, isso começou em 2009 em que o Governo do Ruanda pediu nove indivíduos que eram refugiados aqui em Moçambique. Foi no tempo do Presidente Armando Guebuza e não havia nenhum acordo que determinava a entrega - daqueles que o governa considera criminosos - ao Governo de Kigali. Até hoje não sei se realmente esse acordo foi assinado e que estabeleça a extradição, de Moçambique, desses supostos criminosos.

Assistir ao vídeo 01:41

Mulheres soldado ruandesas em Moçambique

Leia mais