Rússia anuncia expulsão de 23 diplomatas britânicos | NOTÍCIAS | DW | 17.03.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Rússia anuncia expulsão de 23 diplomatas britânicos

Medida é resposta à reação do Reino Unido ao envenamento de ex-espião russo e sua filha na Inglaterra. Primeira-ministra britânica diz que não irá tolerar ameaças de Moscovo.

Ex-expião russo e filha foram envenenados com agente neuroquímico

Ex-expião russo e filha foram envenenados com agente neuroquímico

A Rússia anunciou este sábado (17.03) a expulsão de 23 diplomatas britânicos do país. A medida é uma resposta às retaliações diplomáticas adotadas pelo Reino Unido depois do envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal e de sua filha Yulia, no sul da Inglaterra.

Na última quarta-feira, a primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou a expulsão de 23 diplomatas russos do país – o maior número de expulsões em três décadas – por suspeita de envolvimento da Rússia em atividades de inteligência no Reino Unido e como forma de desmantelar o que chamou de "rede de espionagem russa" no país.

Em comunicado emitido pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, o governo russo anunciou que os 23 membros do pessoal diplomático da embaixada britânica foram declarados 'persona non grata' e que serão expulsos do país no prazo de uma semana. A justificativa foram as "ações provocadoras" e as "acusações sem base" do Reino Unido.

As atividades do British Council (Conselho Britânico), organismo internacional britânico dedicado à divulgação da língua e cultura inglesa no exterior, também foram suspensas. Além disso, Moscovo retirou a permissão para a abertura do Consulado Geral britânico em São Petersburgo, a segunda maior cidade do país. 

"O lado britânico foi advertido de que, no caso de medidas antipáticas ainda serem tomadas em relação à Rússia, a parte russa se reserva o direito de adotar outras medidas de resposta", informou a chancelaria russa em comunicado.

As decisões apresentadas pelo Ministério do Exterior russo como consequência das foram comunicadas na manhã deste sábado ao embaixador britânico em Moscou, Laurie Bristow.

May reage

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, advertiu este sábado que "não tolerará nenhuma ameaça contra a vida de cidadãos britânicos ou outros cidadãos em solo britânico" por parte da Rússia.

"A resposta da Rússia não muda os fatos: a tentativa de assassinato de duas pessoas em território britânico, motivo pelo que não há uma conclusão alternativa a não ser que o Estado russo foi culpado", disse a líder conservadora.

No discurso, a primeira-ministra reiterou que o governo não tem nenhum "desacordo" com os muitos cidadãos russos que residem no Reino Unido, que "cumprem a lei e contribuem" para o país, pois "sempre serão bem-vindos ". Entretanto, alertou que o governo britânico nunca tolerará "ameaças à vida de cidadãos britânicos nem de outros cidadãos em território britânico por parte do Governo russo".

"Este ato de agressão russa representa antítese total aos valores liberais e democráticos que definem o Reino Unido", apontou a primeira-ministra. 

Resposta russa era esperada

O Ministério de Relações Exteriores britânico afirmou que já "esperava uma resposta deste tipo" por parte da Rússia e anunciou que o Conselho Nacional de Segurança, que reúne representantes do governo, da polícia e dos serviços secretos, irá estudar quais serão os passos a serem tomados durante a próxima semana.

Botschafter Großbritannien Laurie Bristow vor dem Außenministierium in Moskau

Embaixador britânico na Rússia, Laurie Bristow

O comunicado ressalta que a "prioridade" do Executivo britânico é "cuidar" de seus funcionários na Rússia e "ajudar aqueles que voltarão ao Reino Unido". 

A nota acrescenta que a Rússia "cometeu uma ruptura flagrante da legislação internacional e da Convenção sobre as Armas Químicas". Segundo o embaixador britânico Laurie Bristow o atentado foi perpetrado "usando uma arma química desenvolvida na Rússia e não declarada por ela à Organização para Proibição de Armas Químicas", como o país estaria comprometido a fazer, segundo a convenção relativa ao assunto, em vigor desde 1997.

Serguei Skripal, ex-agente dos serviços de inteligência militar russa (GRU) e a filha Yulia foram encontrados inconscientes a 4 de março num banco num centro comercial em Salisbury, no sul de Inglaterra, e estão hospitalizados em estado crítico. Segundo o chefe da polícia antiterrorista britânica, Mark Rowley, Skripal e a filha foram vítimas de um ataque com um agente neurotóxico, que poderia ter sido fatal.

Leia mais