Projeto brasileiro que inspirou o ProSavana teve impactos ambientais graves | Moçambique | DW | 30.08.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Projeto brasileiro que inspirou o ProSavana teve impactos ambientais graves

Aumento da poluição, perda de biodiversidade e diminuição da disponibilidade de água são alguns dos problemas apontados. Diretor de ministério brasileiro diz que o meio ambiente não era preocupação na época do projeto.

Plantação de soja no Cerrado brasileiro

Plantação de soja no Cerrado brasileiro

O Programa de Desenvolvimento dos Cerrados, mais conhecido como PRODECER, projeto brasileiro que inspirou o ProSavana em Moçambique, provocou diversos danos ao meio ambiente, afirmam especialistas.

O ProSavana, um programa de cooperação entre Brasil, Japão e Moçambique, que pretende fomentar o desenvolvimento agrícola no corredor de Nacala, no norte do país africano, tem sido alvo de muitas críticas. A sociedade civil moçambicana teme que alguns erros do antepassado brasileiro do ProSavana, o PRODECER, sejam repetidos.

O projeto brasileiro, que teve início em 1979 e finalizou nos anos 1990, teve como objetivo desenvolver o agronegócio no país e também foi fruto de uma parceria com o Japão. Foi implementado na zona do Cerrado, bioma localizado majoritariamente no centro-oeste do Brasil.

Segundo pesquisadores locais, o PRODECER gerou um aumento da poluição, uma grande perda de biodiversidade e uma diminuição das reservas de água.

Karte Mosambik ProSavana Projekt Portugiesisch

Mapa do ProSavana

Modelo monocultor

Maria Erlan Inocêncio, doutora em geografia pela Universidade Federal de Goiás, critica o modelo agrícola aplicado no PRODECER, de grandes propriedades monocultoras: “O modelo monocultor não é ideal, ele empobrece o solo com um único tipo de cultivo”.

A pesquisadora acredita que cultivos policultores, em pequenas propriedades, seriam a melhor forma de exploração agrícola. “Todo processo de ocupação do solo tem impactos, mas seriam menores”, argumenta.

Segurança alimentar

Inocêncio afirma que a produção, por estar voltada para o mercado externo, não aumentou a segurança alimentar na zona. Além disso, ela diz que o projeto colocou em risco a preservação do bioma.

“Quando nós pensamos em Cerrado, cujo solo é mais seco, acredita-se que não haja uma grande diversidade de flora e fauna. Mas isto não é verdade, porque hoje o Cerrado é considerado o segundo maior bioma brasileiro em termos de variedade de biodiversidade”.

De acordo com Inocêncio, este tipo de projeto acarreta desmatamento e, com isso, a morte e a migração de espécies.

Preservação

Para Benedito Rosa, diretor de assuntos comerciais da Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio do Brasil, a biodiversidade do Cerrado está protegida.

“Houve uma expansão de área, onde não tinha nada, um ‘Cerradinho’ frágil. Hoje há uma agricultura de ponta, com áreas de preservação permanente. Os rios e riachos estão protegidos, 20% das fazendas estão preservadas. Os defensivos agrícolas são aqueles legalmente permitidos. Eu não sei onde há problema”

Vera Salazar, doutora em geografia e professora da Universidade Federal de Goiás, acredita que o problema da perda de biodiversidade ainda não está solucionado.

“Mesmo que tenham tentado resgatar áreas e conservar, a perda ao longo dos anos foi grande. Na minha visão, ainda temos que pensar neste problema, não podemos descartá-lo”, afirma.

Uso de agrotóxicos

Mosambik Landwirtschaft

Agricultor em campo de milho em Moçambique

De acordo com as duas geógrafas brasileiras, o uso de agrotóxicos poluí os mananciais, especialmente quando é dispersado por meio de aviões, como é comum na região.

Além disso, elas afirmam que o represamento de nascentes acabou por secar algumas fontes e diminuir a disponibilidade de água.

As geógrafas defendem ainda que o sistema de irrigação usado, com pivôs centrais, gera um enorme desperdício de água. Segundo Benedito Rosa, do ministério da agricultura do Brasil, não há dados suficientes para afirmar isso.

Mudança de mentalidade

Ele argumenta que PRODECER foi realizado em uma época em que as preocupações com o meio ambiente eram menores.

“Essa era a cabeça dos anos 70, 80 do século passado. Quando chegamos no final do século, o projeto já estava desativado e uma nova preocupação surgiu no mundo: biodiversidade e uma melhor conservação dos recursos naturais. O que não existia no anos 70. "

Segundo Benedito Rosa, um PRODECER nos dias de hoje seria implementado de forma diferente. Ele acredita que Moçambique pode aprender com os erros e acertos do PRODECER.

ProSavana

O ProSavana foi lançado em 2011 pelos governos do Brasil, do Japão e de Moçambique. Deve ser implementado em 19 distritos no norte do país ao longo do corredor de Nacala.

Os 19 distritos ocupam uma extensão total de cerca de 11 milhões de hectares, uma área maior que o território do país vizinho Malawi.

Ouvir o áudio 03:57

Projeto brasileiro que inspirou o ProSavana teve impactos ambientais graves

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados