Praga do milho em São Tomé ″em fase de eliminação″ | NOTÍCIAS | DW | 28.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Praga do milho em São Tomé "em fase de eliminação"

Fundo das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação e técnicos são-tomenses trabalharam juntos para combater a praga que compromete a produção de milho em São Tomé e Príncipe desde 2015.

Segundo um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), a praga do milho "encontra-se em fase de eliminação". O documento, elaborado com apoio de técnicos do Centro de Investigação Agronómica e Tecnológica (CIAT) de São Tomé, foi entregue esta semana ao Governo do arquipélago, no termo de um "projeto de controlo das pragas de milho e a restauração da capacidade produtiva das famílias são-tomenses" criado pelo Executivo.

Segundo o Governo são-tomense, desde 2015 que o milho e outras culturas alimentares têm sido "gravemente prejudicadas" devido a uma praga que afetou todo o país.

O Executivo recorreu ao apoio do Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, que "trabalhou em parceria com o CIAT para o controlo da praga do milho".

Subistência ameaçada

São Tomé e Príncipe Mais Farmer

Produtores de milho em São Tomé

O diretor do CIAT, Severino Espírito Santo, disse a jornalistas na sexta-feira (27.10) que por ser "um alimento de base para a maioria da população, e que também joga um papel muito importante na alimentação animal do país", a carência do milho afetou o rendimento familiar de muitos agricultores.

"Aproximadamente 750 pequenos agricultores cobrem uma superfície de 400 hectares com esta cultura. Com a presença da praga do milho esses agricultores viram a sua subsistência ameaçada e de igual modo a segurança alimentar estava mais uma vez comprometida", disse Severino Espírito Santo.

"A destruição foi de tal amplitude que causou uma baixa enorme e drástica na produção, tendo atingido a 100% a maioria das zonas produtoras de milho", acrescentou. O responsável referiu que graças ao "apoio técnico, científico e financeiro da FAO", a capacidade técnica do CIAT e a colaboração dos agricultores, conseguiu-se "alcançar resultados muito relevantes no combate desta praga".

FAO promete acompanhar situação

Em 2015, o Governo, preocupado com a "devastação acelerada" nas plantações, solicitou "apoio de emergência" da FAO para controlar a praga do milho, identificada como sendo "lagarto noturno".

No relatório entregue ao Executivo, a FAO recomenda que a gestão do combate à praga do milho se insira na sua estratégia global e promete um "acompanhamento técnico e sistemático" das ações no país.

A FAO sublinha que é preciso coordenação de iniciativas para "acionar respostas adequadas a esse tipo de fenómeno que constitui uma ameaça real à segurança alimentar e nutricional".

Assistir ao vídeo 01:27
Ao vivo agora
01:27 min

Pesca em São Tomé: artesanal e sustentável?

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados