Oposição camaronesa junta forças contra Paul Biya | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 06.10.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Oposição camaronesa junta forças contra Paul Biya

Uma nova coligação entre dois partidos da oposição, anunciada na sexta-feira, espera derrubar o atual Presidente Paul Biya, que está em busca do seu sétimo mandato. Votação vai decorrer este domingo (07.10).

Nos Camarões, dois partidos da oposição anunciaram na noite desta sexta-feira (05.10) uma nova coligação, num esforço para derrotar o atual Presidente Paul Biya na eleição presidencial deste domingo.

Akere Muna, líder da Frente Popular para o Desenvolvimento (FDP), disse que decidiu "retirar" sua candidatura para a votação deste domingo, a fim de beneficiar Maurice Kamto, o chefe do Movimento para a Renascença dos Camarões (MRC).

"Acredito firmemente que o futuro dos Camarões é a principal prioridade e vale cada sacrifício pessoal", escreveu Muna no Twitter.

Embora o objetivo das partes seja derrubar Biya, de 85 anos, a nova coligação não incluiu o principal opositor, Joshua Osih, candidato da Frente Patriótica Social. Tanto Osih quanto o Kamto, do MRC, são considerados favoritos.

Mas não está claro se o acordo de última hora foi feito a tempo de afetar a votação. "Essa coligação, embora interessante para a vitalidade da democracia camaronesa, pode ter chegado tarde demais", disse Hans de Marie Heungoup, pesquisador do ICG.

Denúncias de fraude

Ainda na sexta-feira, o MRC de Kamto alegou que uma "fraude maciça" estava ocorrendo nos Camarões para ajudar Paul Biya a garantir um sétimo mandato. O MRC alegou que o recenseamento eleitoral continuou, embora o prazo já tenha passado, e que os cartões de voto foram forjados.

Há anos as autoridades eleitorais de Camarões têm enfrentado acusações que apontam as suas intenções de favorecer Paul Biya nas eleições. O Presidente venceu a eleição de 2011 com 78% dos votos numa votação que foi descrita como "falha" por observadores eleitorais, assim como por políticos da oposição. Biya, que está no poder há 35 anos, enfrenta sete candidatos da oposição na votação deste domingo.

Espera-se que a segurança seja apertada para a votação, especialmente na região separatista anglófona, enquanto as autoridades camaronesas ordenaram a proibição de viagens de trem, rodoviárias e aéreas dentro do país, segundo um decreto visto pela agência de notícias France-Presse.

Além de Paul Biya, Maurice Kamto e Joshua Osih, nestas eleições presidenciais concorrem ainda Njoya Adamou Ndam, da União Democrática dos Camarões, Gargan Haman Adji, do partido Aliança para a Democracia e o Desenvolvimento, Serge Espoir Matomba, líder do partido Povo Unido para a Renovação Social, Franklin Ndofor Afanwi, do Movimento dos Cidadãos Nacionais e Cabral Libii Li Ngue Ngue pelo partido político Universo. O Presidente é eleito para um mandato de sete anos.

Leia mais