ONU: ″Guiné-Bissau pode ter um futuro melhor″ | Guiné-Bissau | DW | 23.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

ONU: "Guiné-Bissau pode ter um futuro melhor"

O presidente do Conselho de Segurança da ONU, Jerry Matjila, disse que o encerramento da missão política na Guiné-Bissau (Uniogbis) significa que "há algo de bom a acontecer em África".

UN Sicherheitsrat | Südafrika

Jerry Matjila (centro)

Jerry Matjila, representante permanente da África do Sul nas Nações Unidas, afirmou, em conferência de imprensa na sede da organização, em Nova Iorque, que está satisfeito com o progresso do Gabinete Integrado para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau (Uniogbis), que culmina com o encerramento, no próximo dia 31, depois de 21 anos em atividade.

Segundo a Lusa, o representante sul-africano elogiou o encerramento das missões políticas da ONU na Guiné-Bissau e no Burundi e a transferência de recursos para as respetivas equipas de coordenação nacionais: "Acreditamos que estes dois processos indicam que há algo de bom a acontecer em África".

Bildergalerie UN Hauptquartier Fahne Flagge

Missão política da ONU na Guiné-Bissau foi criada em 1999

"Estamos satisfeitos com os relatórios, com a forma como as coisas se mexeram (...) por chegarmos a um ponto em que podemos dizer [à Guiné-Bissau]: estão por vossa conta, vamos apoiar-vos, mas por favor, estejam unidos", acentuou o presidente do Conselho de Segurança da ONU durante o mês de dezembro.

Comunidade unida e em diálogo

Para Jerry Matjila, é importante que toda a comunidade da Guiné-Bissau esteja unida e em constante diálogo, para procurar um futuro melhor nesse país que é "gigante em recursos naturais e com tantos recursos marinhos".

"Tal como o resto da África ou como Cabo Verde, Guiné-Bissau pode ter um futuro melhor", sublinhou.

O sul-africano lembrou que o Conselho de Segurança fez uma visita oficial à Guiné-Bissau em 2019, onde se reuniu com "todas as partes políticas, parlamento, Presidente, ministros, partidos políticos, juventude e políticos".

"Dissemos que o destino da Guiné-Bissau está nas suas próprias mãos", sublinhou Jerry Matjila, acrescentando que a União Europeia (UE), Comunidade Económica dos Países da África Ocidental (CEDEAO), ONU, União Africana ou países de língua portuguesa têm poderes limitados, "mas o resto está nas próprias mãos" do país.

A presença de mais de 20 anos da Uniogbis na Guiné-Bissau incluiu a realização de eleições e o estabelecimento da paz, enquanto os recursos das Nações Unidas eram mobilizados e integrados no país, em linha com objetivos do desenvolvimento sustentável.

Guinea-Bissau Gesamtaufnahme der Stadt Bissau

"O destino da Guiné-Bissau está nas suas próprias mãos", diz Jerry Matjila

País vai continuar a ser acompanhado

A missão política da ONU na Guiné-Bissau foi criada em 1999 na sequência do conflito político-militar no território. Depois de 21 anos, a cerimónia de encerramento da missão foi realizada este ano, em 11 de dezembro.

O processo de desenvolvimento do país vai continuar a ser acompanhado através do representante especial das Nações Unidas para a África Ocidental e pelo coordenador residente das agências da ONU no país.

No mês de dezembro, a intenção de Jerry Matjila foi fazer o Conselho de Segurança "ouvir África", defendendo a implementação "do conteúdo e espírito" do capítulo oitavo da Carta das Nações Unidas, sobre o papel e mobilização das organizações regionais, como União Africana, em conflitos regionais.

O presidente cessante do Conselho de Segurança defendeu que os cinco membros permanentes (China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia), têm de reconhecer a importância das organizações regionais e sub-regionais no continente africano.

Tendo sido o foco da África do Sul como presidente do Conselho de Segurança dar mais atenção ao continente africano, processos como o da Guiné-Bissau indicam que "os líderes africanos estão a assumir a responsabilidade, com os seus povos, para resolver complicações de longo termo", disse Jerry Matjila.

Assistir ao vídeo 00:20

Guiné-Bissau: Que lições tirar das últimas eleições presidenciais?

Leia mais