Nyusi promete reduzir o desemprego em Moçambique | Moçambique | DW | 21.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Nyusi promete reduzir o desemprego em Moçambique

O Presidente moçambicano lançou uma iniciativa para reduzir o desemprego. Filipe Nyusi quer baixar a taxa de desemprego para 11% até 2035 face aos 17% dos registos oficiais em 2020.

Filipe Nyusi referiu-se aos números do desemprego em Moçambique no lançamento do programa Emprega, uma iniciativa da Secretaria de Estado da Juventude e Emprego (SEJE), entidade diretamente tutelada pela Presidência da República.

"O programa Emprega é sério, é real. Este programa que hoje lançamos enquadra-se nesta visão sobre a necessidade e urgência de criação de emprego. Temos pressa [na criação de postos de trabalho]", declarou Nyusi, num país onde a maioria da população ainda vive na economia informal.

A primeira componente da iniciativa inclui um concurso para iniciativas empresariais jovens que vão beneficiar de apoio financeiro estatal para o desenvolvimento de negócios, acrescentou o chefe de Estado moçambicano.

Assistir ao vídeo 01:26

Inhambane: Jovens consertam eletrodomésticos para fugir ao desemprego

"A meta é ter mais de 10 mil participantes neste programa nacional, que é implementado pela primeira vez no nosso país", prosseguiu.

Apoio à formação

Os jovens beneficiários vão receber formação e orientação de "alta qualidade" e serão selecionados com base no potencial de crescimento e de criação de empregos das suas empresas.

O Presidente moçambicano avançou que a segunda componente vai consistir no apoio à produtividade de trabalhadores jovens do setor informal.

"Esta componente fornece apoio financeiro aos jovens para que tenham acesso a programas de formação e serviços de apoio de qualidade", declarou Filipe Nyusi.

O chefe de Estado assinalou que este segundo vetor pretende abranger 24 mil jovens.

"Este é o momento da juventude", referiu, dizendo que a aposta no emprego jovem impõe-se pelo facto de esta faixa etária ser a maioria da população moçambicana e ser parte de uma geração com melhor formação e mais aberta a mudanças.  

Por outro lado, prosseguiu, os empreendedores jovens empregam mais colaboradores da sua faixa etária, gerando um efeito multiplicador na criação de postos de trabalho.

A taxa de desemprego estimada para Moçambique desceu de 20,7% em 2014/15 para 17,5% em 2019/20, de acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) publicados em setembro, que reconhece limitações de uma medição oficial dada a prevalência de atividades informais e de subsistência.

Assistir ao vídeo 06:50

Trabalho informal: Uma alternativa ao desemprego em Moçambique

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados