Novo Presidente da Libéria pede o fim da ″praga da corrupção″ | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 29.01.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Novo Presidente da Libéria pede o fim da "praga da corrupção"

O combate à corrupção é um dos temas em debate na 30ª cimeira da União Africana (UA). Novo Presidente da Libéria, George Weah, pediu um maior compromisso dos líderes africanos para enfrentar esta "praga".

default

"A corrupção é uma praga que parece espalhar-se por todos os nossos países", afirmou o Presidente da Libéria, George Weah, na abertura da cimeira da UA

Poucos dias depois de tomar posse, o novo chefe de Estado da Libéria, George Weah, pediu aos líderes africanos mais determinação no combate à corrupção.

"A corrupção é uma praga que parece espalhar-se por todos os nossos países", afirmou Weah este domingo (28.01) na abertura da 30ª cimeira da União Africana, em Addis Abeba, na Etiópia. "Absorve a nossa energia, dificulta o progresso e desenvolvimento e impede as nossas populações de alcançarem o ser verdadeiro potencial. É também uma grande ameaça à paz e segurança nos nossos países e às respetivas comunidades regionais e económicas."

A 30ª cimeira da União Africana decorre sob o lema "Vencer a Luta contra a Corrupção: Um Caminho Sustentável para a Transformação de África". No encontro participam líderes políticos dos 55 Estados-membros da organização.

Äthiopien Addis Abeba Afrikanische Union Gipfel Guterres

Líderes durante a cimeira da União Africana, a 28 de janeiro de 2018

Reformas e Donald Trump

Outro dos temas abordados foi a reforma da União Africana. Paul Kagame, chefe de Estado do Ruanda e atual presidente da UA, pediu que a organização se torne mais independente de apoios externos.

Atualmente, mais de 70% dos fundos para as operações de paz da União Africana provêm de doadores como a União Europeia e os Estados Unidos da América. O objetivo é reduzir a dependência financeira para 59% este ano.

O Presidente ruandês saudou ainda, este domingo, a criação do mercado único do transporte aéreo africano, que descreveu como um "grande passo". "Estamos quase prontos para adotar a zona de livre comércio continental. Isso precisa realmente de ser feito este ano", afirmou.

Ouvir o áudio 03:34
Ao vivo agora
03:34 min

Novo Presidente da Libéria pede o fim da "praga da corrupção"

Kagame encontrou-se na semana passada em Davos, na Suíça, com o homólogo norte-americano.

Donald Trump escreveu uma carta aos líderes africanos, reunidos na cimeira da UA, dizendo que "respeita profundamente" o povo de África e anunciando para março "uma extensa visita" do secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, ao continente. A carta segue-se a declarações citadas na imprensa, negadas pelo Presidente norte-americano, em que Trump teria usado calão para se referir ao Haiti e a várias nações africanas.

ONU apela à paz e desenvolvimento sustentável

Na abertura da 30ª cimeira da União Africana, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, voltou a apelar ao respeito pela dignidade dos migrantes e refugiados.

Äthiopien Addis Abeba Afrikanische Union Gipfel Guterres

Secretário-geral da ONU, António Guterres

Guterres defendeu que são necessárias ferramentas legais para travar os traficantes que violam os direitos humanos. Além disso, "as políticas de cooperação para o desenvolvimento também devem fornecer oportunidades para que as pessoas vivam com dignidade nos seus próprios países. A migração deve sempre ser uma escolha - um ato de esperança, não de desespero". 

António Guterres reafirmou ainda o compromisso da ONU com a paz e o desenvolvimento sustentável em África.

O secretário-geral das Nações Unidas saudou, por exemplo, o trabalho da Missão da União Africana para a Somália (AMISOM) na luta contra o terrorismo e da Força Conjunta do G5 Sahel contra a crescente ameaça extremista em países da África Ocidental, mas ressaltou que "essas operações precisam do apoio de toda a comunidade internacional".

"A paz no Sahel, como na Somália e na bacia do Lago Chade, é um bem global e o mundo deve investir nisso", disse Guterres.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados