Novo Presidente da Libéria pede o fim da ″praga da corrupção″ | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 29.01.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Novo Presidente da Libéria pede o fim da "praga da corrupção"

O combate à corrupção é um dos temas em debate na 30ª cimeira da União Africana (UA). Novo Presidente da Libéria, George Weah, pediu um maior compromisso dos líderes africanos para enfrentar esta "praga".

A corrupção é uma praga que parece espalhar-se por todos os nossos países, afirmou o Presidente da Libéria, George Weah, na abertura da cimeira da UA

"A corrupção é uma praga que parece espalhar-se por todos os nossos países", afirmou o Presidente da Libéria, George Weah, na abertura da cimeira da UA

Poucos dias depois de tomar posse, o novo chefe de Estado da Libéria, George Weah, pediu aos líderes africanos mais determinação no combate à corrupção.

"A corrupção é uma praga que parece espalhar-se por todos os nossos países", afirmou Weah este domingo (28.01) na abertura da 30ª cimeira da União Africana, em Addis Abeba, na Etiópia. "Absorve a nossa energia, dificulta o progresso e desenvolvimento e impede as nossas populações de alcançarem o ser verdadeiro potencial. É também uma grande ameaça à paz e segurança nos nossos países e às respetivas comunidades regionais e económicas."

A 30ª cimeira da União Africana decorre sob o lema "Vencer a Luta contra a Corrupção: Um Caminho Sustentável para a Transformação de África". No encontro participam líderes políticos dos 55 Estados-membros da organização.

Äthiopien Addis Abeba Afrikanische Union Gipfel Guterres

Líderes durante a cimeira da União Africana, a 28 de janeiro de 2018

Reformas e Donald Trump

Outro dos temas abordados foi a reforma da União Africana. Paul Kagame, chefe de Estado do Ruanda e atual presidente da UA, pediu que a organização se torne mais independente de apoios externos.

Atualmente, mais de 70% dos fundos para as operações de paz da União Africana provêm de doadores como a União Europeia e os Estados Unidos da América. O objetivo é reduzir a dependência financeira para 59% este ano.

O Presidente ruandês saudou ainda, este domingo, a criação do mercado único do transporte aéreo africano, que descreveu como um "grande passo". "Estamos quase prontos para adotar a zona de livre comércio continental. Isso precisa realmente de ser feito este ano", afirmou.

Ouvir o áudio 03:34

Novo Presidente da Libéria pede o fim da "praga da corrupção"

Kagame encontrou-se na semana passada em Davos, na Suíça, com o homólogo norte-americano.

Donald Trump escreveu uma carta aos líderes africanos, reunidos na cimeira da UA, dizendo que "respeita profundamente" o povo de África e anunciando para março "uma extensa visita" do secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, ao continente. A carta segue-se a declarações citadas na imprensa, negadas pelo Presidente norte-americano, em que Trump teria usado calão para se referir ao Haiti e a várias nações africanas.

ONU apela à paz e desenvolvimento sustentável

Na abertura da 30ª cimeira da União Africana, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, voltou a apelar ao respeito pela dignidade dos migrantes e refugiados.

Äthiopien Addis Abeba Afrikanische Union Gipfel Guterres

Secretário-geral da ONU, António Guterres

Guterres defendeu que são necessárias ferramentas legais para travar os traficantes que violam os direitos humanos. Além disso, "as políticas de cooperação para o desenvolvimento também devem fornecer oportunidades para que as pessoas vivam com dignidade nos seus próprios países. A migração deve sempre ser uma escolha - um ato de esperança, não de desespero". 

António Guterres reafirmou ainda o compromisso da ONU com a paz e o desenvolvimento sustentável em África.

O secretário-geral das Nações Unidas saudou, por exemplo, o trabalho da Missão da União Africana para a Somália (AMISOM) na luta contra o terrorismo e da Força Conjunta do G5 Sahel contra a crescente ameaça extremista em países da África Ocidental, mas ressaltou que "essas operações precisam do apoio de toda a comunidade internacional".

"A paz no Sahel, como na Somália e na bacia do Lago Chade, é um bem global e o mundo deve investir nisso", disse Guterres.

Leia mais