Novo Governo quer facilitar migração e regras de dupla cidadania na Alemanha | NOTÍCIAS | DW | 26.11.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Novo Governo quer facilitar migração e regras de dupla cidadania na Alemanha

Dupla cidadania, reuniões familiares para refugiados e mais modelos de vistos são promessas feitas pelos partidos da nova coalizão no Governo. Mudanças são apoiadas por ativistas e autoridades estaduais para integração.

Entre as promessas feitas no acordo de coligação de 177 páginas, que foi anunciado pelo Partido Social-Democrata (SPD, na sigla em alemão), os Verdes e os Partido Democrático Liberal (FDP, na sigla em alemão) nesta quarta-feira (24.11), está uma revisão radical das leis de cidadania alemã e de migração.

"Queremos um novo começo na política de migração e integração como é correto para um país moderno de imigração", lê-se no texto.

Concretamente, o acordo promete permitir a dupla cidadania para migrantes na Alemanha, que atualmente só é permitida normalmente para cidadãos da União Europeia e suíços, e também acelerar e simplificar os pedidos de asilo e de residência.

"Estamos a estabelecer-nos como uma coligação para traçar uma linha sob a política de asilo dos últimos anos e para realmente assegurar que às pessoas que vivem aqui permanentemente - e previsivelmente também viverão aqui permanentemente - seja dada a oportunidade de solidificar a sua residência, de ingressar no mercado de trabalho, de ter acesso à língua, e de o fazer indiscriminadamente", diz a parlamentar do Partido Verde Luise Amtsberg à DW.

"Todas estas são interseções-chave relevantes para a imigração de um país moderno e oferecem uma mudança de paradigma", acrescenta Amtsberg.

Deutschland Ankunfts- und Rückführungseinrichtung für Flüchtlinge in Manching

Geralmente os requerentes de asilo na Alemanha ficam num centro de receção

O que dizem os conservadores?

Ralph Brinkhaus, líder do grupo parlamentar da chanceler federal Angela Merkel - da União Democrata-Cristã (CDU), que está agora na oposição após 16 anos no poder - foi cético em relação aos planos.

"Não teríamos certamente esta abertura brutal na área da migração", disse ele. "Por isso, estamos bastante preocupados que isso vá ser um fator de atração para um grande fluxo de migração ilegal", adverte o deputado.

Brinkhaus manifestou preocupação com as pessoas "que vieram para a Alemanha sem a base legal para estar aqui, que depois de um certo tempo seriam autorizadas a ficar. Penso que isso é muito errado".

No entanto, no início deste ano, os ministros da Integração dos 16 estados apelaram ao Governo para flexibilizar as regras de cidadania. Num apelo maioritário, a Conferência dos Ministros da Integração da Alemanha (IntMK, na sigla em alemão), que foi iniciada em 2007 sob a égide de Merkel para coordenar as abordagens estaduais e federais em matéria de imigração, exortou fortemente que fossem feitas alterações legais de acordo com as promessas da nova coligação.

Assistir ao vídeo 03:36

África: O que esperar do próximo chanceler alemão?

Espera-se "aumentos dos pedidos"

Devido às regras atuais da Alemanha sobre dupla cidadania, o país tem uma das mais baixas taxas de dupla cidadania da Europa.

Um grupo que será afetado tanto pela nova proposta de dupla cidadania como pelo processo simplificado de imigração é a grande comunidade turca da Alemanha. Há cerca de 3 milhões de turcos ou pessoas de origem turca na Alemanha, que chegaram em grande parte em vagas desde os anos 1960 - quando o chamado sistema de trabalhadores convidados foi acordado pela primeira vez.

Devido às leis alemãs em vigor até agora, entretanto, menos de 10% desta população têm dupla cidadania alemã e turca e, de acordo com um estudo do Centro para o Progresso Americano, 55% têm apenas cidadania turca.

Gülay Türkmen é socióloga do Centro de Ciências Sociais da WZB em Berlim. A sua investigação centra-se na migração turca para a Alemanha e outros países.  Türkmen concorda com a revisão das leis de cidadania indicadas no acordo da coalizão, especificamente em relação àquela que é a maior população não nativa da Alemanha.

Symbolfoto doppelte Staatsbuergerschaft

A Alemanha tem um dos índices mais baixos de dupla cidadania na Europa

"A principal razão pela qual [a comunidade turca] evita obter a cidadania alemã é este requisito de abdicar da cidadania turca", explicou em entrevista à DW. "Isto foi muito mais generalizado nas gerações mais velhas, uma vez que a ligação emocional era muito mais forte".

"Esta nova promessa levará definitivamente a um aumento dos pedidos de cidadania entre a população turca, como também vimos em 2000, após o processo de naturalização ter sido simplificado", acrescentou, referindo-se à última vez que o SPD formou um Governo, depois em coligação apenas com os Verdes.

Louise Amtsberg, deputada dos Verdes, atribui à CDU a culpa por tantas pessoas que vivem na Alemanha não terem solicitado a naturalização diretamente.

"Vejam os refugiados afegãos na Alemanha, por exemplo, [muitos dos quais] não tiveram oportunidade de assegurar a sua residência, apesar de ser previsível e claro após um certo tempo que ficariam aqui permanentemente", argumenta.

Preocupações com os refugiados

Um caminho mais rápido para a residência de jovens que demonstraram estar "integrados" na Alemanha também é mencionado no acordo.

Esta residência acelerada poderia ser importante para as pessoas atualmente na Alemanha numa base de "estadia tolerada" (Duldung), o que significa que deveriam, em princípio, ser deportados, mas, por várias razões, não é viável a sua partida.

Wiebke Judith é assessora jurídica da organização alemã de defesa dos direitos dos refugiados Pro Asyl e vê como positivo que os direitos de residência plena se tornem mais fáceis para estas pessoas.

Assistir ao vídeo 03:10

Da Namíbia à Alemanha – Iyaloo começa uma vida nova

Leia mais