1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Deslocados internos no centro de Moçambique
Foto: Bernardo Jequete/DW

Deslocados internos tentam reerguer-se em Gondola

Bernardo Jequete (Chimoio)
28 de setembro de 2022

Deslocados que, entre 2019 e 2021, se refugiaram em Gondola, província de Manica, por causa dos ataques da autoproclamada Junta Militar da RENAMO, começam a reerguer-se. Agropecuária e comércio são duas das suas apostas.

https://p.dw.com/p/4HTrh

Quando se refugiaram no município de Gondola, província central de Manica, os deslocados viviam em condições deploráveis. Moravam em tendas e dependiam do apoio do Governo, sobretudo para se alimentarem.

Mas, passado algum tempo, muitos deslocados começam a reerguer-se. Já possuem campos agrícolas, estabelecimentos comerciais de pequena escala e casas melhoradas.

Alguns abandonaram as tendas onde viviam e deixaram de viver de esmolas, fruto de um trabalho conjugado entre as vítimas e o Governo.

Passo a passo

Em Gondola, a DW África conversou com Rocha José, que disse estar a progredir devido ao seu negócio no setor da agricultura.

Contou que a última época agrícola foi um sucesso. Conseguiu um boa produção e, com o dinheiro que ganhou, já faz planos. "Pretendo fazer outra coisa que poderá ajudar-me junto da minha família", disse.

Mosambik Gondola Manica | Binnenflüchtlinge | Rocha José
Rocha José quer usar negócio agrícola como trampolim para uma vida melhorFoto: Bernardo Jequete/DW

Francisco Fabião, pai de oito filhos, também contou à DW África que as atividades agrícolas e comerciais estão a surtir os efeitos desejados entre os deslocados.

"Eu fiz esta banca para sustentar a minha família", contou. "Aqui estamos a viver bem, ao contrário da região onde saí".

"Aqui não há problema nenhum"

Os ataques que afetaram severamente as províncias de Manica e Sofala, na região centro do país, provocaram milhares de deslocados entre 2019 e 2021. A maior parte refugiou-se no distrito de Gondola, tida como uma das regiões mais seguras.

Sevene Armando explica que deixou tudo o que tinha na sua região por causa dos ataques. E enaltece o esforço do Governo moçambicano, pelo acolhimento e doação de alimentos e material de abrigo.

"As pessoas já estão a construir as casas, outros estão a fazer as bancas, machambas, e estamos a ficar bem. Aqui não há problema nenhum", diz.

A edilidade de Gondola e o Governo central, através do Instituto Nacional de Gestão de Risco de Desastres (INGD), providenciaram as condições básicas, faltando apenas a corrente elétrica na região onde estão reassentados os deslocados.

Mosambik Gondola Manica | Binnenflüchtlinge | Amélia Bene
Amélia Bene montou uma banca onde comercializa produtos de primeira necessidadeFoto: Bernardo Jequete/DW

Arlindo Ngozo, edil de Gondola diz que há muitos exemplos de superação entre os deslocados, mas promete que as autoridades continuarão a apoiar este grupo: "É o nosso papel, como município, estar ao lado da população. Hoje o conflito parou, mas a população ainda está aqui", afirmou o autarca.

Construindo uma nova vida

Alguns deslocados no distrito de Gondola abraçaram a área da construção civil e a carpintaria; a maior parte dedica-se à agricultura e ao comércio.

"A nossa vida está a andar bem", comenta Amélia Bene, uma deslocada que encontrou em Gondola uma forma de mudar de vida. Está neste momento a construir uma casa feita de tijolos queimados e cimento, algo que não tinha na sua zona de origem. 

"Já começámos a construir casas melhoradas e temos também machambas, onde produzimos mandioca, milho, feijão boer. Não está nada mal", conclui.

A história de sucesso de deslocados em Manica

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado