Militares reforçam segurança em Cartum após tentativa de golpe no Sudão | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 22.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Militares reforçam segurança em Cartum após tentativa de golpe no Sudão

Golpistas tentaram tomar estações oficiais de rádio e televisão e prender membros do Conselho Soberano. Antigos integrantes do regime de Omar al-Bashir são suspeitos de orquestrar tentativa de golpe de Estado.

As autoridades sudanesas dizem que a tentativa de golpe de Estado esta terça-feira (21.09) foi orquestrada por um grupo de militares e civis, mas garantem que o Conselho Soberano e os militares têm a situação sob controlo.

Numa declaração lida na TV estatal, o ministro da Cultura e Informação, Hamza Baloul, afirmou que as forças de segurança prenderam as pessoas que planearam o golpe. Os detidos teriam sido interrogados depois de os militares controlarem o acampamento do corpo blindado a sul de Cartum.

Baloul, que é também o porta-voz do Governo, disse que as autoridades estavam a perseguir "remanescentes" do regime de Omar al-Bashir que são suspeitos de terem participado no levante.

O primeiro-ministro Abdalla Hamdok também culpou ex-integrantes do Governo de al-Bashir, descrevendo o incidente como um esforço para minar a transição democrática do Sudão. ''O que aconteceu é um golpe orquestrado por facções de dentro e de fora das forças armadas'', disse ele.

Hamdok, o rosto civil do Governo sudanês, falou durante uma reunião de emergência no Gabinete, que foi transmitida na televisão estatal, dizendo que o episódio "sublinha a necessidade de uma revisão completa, clara e transparente da transição".

Sudan | nach Putschversuch | Premierminister Abdalla Hamdok

Hamdok: "Golpe orquestrado por facções de dentro e de fora das forças armadas"

"'Consequências devastadoras''

O General Abdel-Fattah Burhan, chefe do Conselho Soberano, e o seu vice-general, Mohammed Hamdan Dagalo, que comanda as Forças de Apoio Rápido, visitaram o acampamento do corpo blindado na terça-feira. A tentativa de golpe, se tivesse tido sucesso, teria tido "consequências devastadoras para a unidade dos militares, e para o país também", disse Burhan.

Ainda na terça-feira, a televisão estatal do Sudão apelou à população "para se opor" a tentativa de golpe, mas não forneceu mais pormenores sobre o que havia ocorrido. "Tudo está sob controlo. A revolução é vitoriosa", publicou no Facebook Mohammed al-Fiky Suliman, membro do Conselho Militar-Civil no poder, apelando aos sudaneses para protegerem a transição.

Um alto funcionário militar disse que um número não especificado de militares do corpo blindado do exército estaria por trás da tentativa de golpe de Estado e que eles tentaram invadir e permanecer em várias sedes de instituições governamentais, mas foram detidos.

Sudan | Khartum nach dem gescheiterten Putschversuch

Moradores de Cartum viveram horas de tensão e incertezas esta terça-feira

Quase 40 militares detidos

A mesma fonte informou que o grupo de soldados tentou tomar o quartel-general e a estação de televisão estatal na cidade de Omdurman, para ler uma declaração aos cidadãos. O conteúdo da declaração não ficou claro. Quase 40 militares, incluindo oficiais de alta patente, foram detidos.

Circularam imagens nas redes sociais mostrando tropas e veículos blindados destacados para as principais estradas e cruzamentos na capital Cartum. A segurança foi também reforçada no quartel-general militar e noutros edifícios governamentais da cidade.

Mohammed Hassan al-Taishi, membro do Conselho Soberano, chamou à tentativa de "uma escolha tola e má". "A opção por golpes militares deixou-nos apenas um país falhado e fraco'', escreveu ele no Twitter. "O caminho para a transição democrática e para assegurar o futuro político e a unidade do país continua a ser uma opção".

O Sudão está num caminho frágil para a democracia desde a expulsão dos militares de al-Bashir em abril de 2019, após quatro meses de protestos. Durante décadas, o Governo de al-Bashir, que era aliado dos islamistas, trabalhou para impedir os ideólogos no seio das forças armadas e outras agências de segurança. O próprio Al-Bashir chegou ao poder num golpe militar apoiado pelos islamitas em 1989.

O país é agora governado por civis e militares. O Governo de transição está cada vez mais pressionado para acabar com os conflitos provocados por grupos rebeldes, à medida que procura reabilitar a economia do país.

Assistir ao vídeo 02:04

Refugiados etíopes encontram amparo no Sudão

Leia mais