Membro do comité central do PAIGC detido em Bissau | Guiné-Bissau | DW | 20.06.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Membro do comité central do PAIGC detido em Bissau

Armando Correia Dias foi detido este sábado (20.06) em Bissau, disse à Lusa fonte daquela formação política da Guiné-Bissau. LGDH exige "libertação imediata" do empresário.

PAIGC National Headquarters

Sede do PAIGC em Bissau

Armando Correia Dias, membro do comité central do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e empresário guineense, foi detido este sábado em Bissau - quando circulava numa viatura, como passageiro, onde seguiam mais duas pessoas, explicou à agência Lusa fonte do PAIGC.

Segundo a fonte, Armando Correia Dias está detido na segunda esquadra em Bissau.

Nas redes sociais, circula um vídeo do deputado do PAIGC Wasna Papai Danfa também a fazer a denúncia.

Numa mensagem divulgada na rede social Facebook, o PAIGC questiona se a "comunidade internacional é cúmplice ou patrocinadora de sequestros e torturas".

 "O empresário Armando Correia Dias pode ser assassinado se algo não for feito para impedir uma tragédia anunciada. Estejamos todos vigilantes", acrescenta a mensagem do PAIGC.

Detenção "ilegal e arbitrária"

A Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH) exigiu a "libertação imediata" do membro do Armando Correia Dias, também conhecido por N'Dinho, considerando a sua detenção como "ilegal".

"A LGDH condena a forma ilegal e arbitrária como foi efetuada esta detenção e exige a sua libertação imediata", refere, em comunicado divulgado na rede social Facebook.

No comunicado, a organização de direitos humanos sublinha que a deteção de Armando Correia Dias foi feita "sem nenhum mandado" e "sem notificação prévia para o efeito".

"A organização exorta o Ministério do Interior, no sentido de abster-se de prática de atos ilegais e abusivos, adequando a conduta dos seus agentes no estrito cumprimento da lei", acrescenta na mensagem.

Idriça Djaló: "Ameaças? Se me quiserem matar, não falhem"

Leia mais