Mais 83.500 empregos até 2021 em Angola? Estudantes não acreditam | Angola | DW | 25.08.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Mais 83.500 empregos até 2021 em Angola? Estudantes não acreditam

O Movimento dos Estudantes Angolanos (MEA) mostra-se cético quanto à promessa do Governo, considerando a medida como "campanha eleitoralista" e "uma forma do Estado vender esperanças".

"Quanto a essa nova proposta estou cético, não acredito e penso ser mais uma campanha eleitoralista e uma forma do Estado vender esperanças, nós estamos cansados e a esperança que temos hoje não é a do verbo esperar, mas do verbo esperançar", afirma o presidente do Movimento dos Estudantes Angolanos (MEA), Francisco Teixeira.

Para sustentar o seu ceticismo, o líder dos estudantes angolanos referiu que boa parte dos programas do Governo "não avança devido à excessiva partidarização", considerando que os programas em curso beneficiam "sobretudo jovens ligados à JMPLA", braço juvenil do partido no poder em Angola.

"Era preciso o Estado descentralizar e encontrar uma plataforma congregadora onde todos os jovens se revissem", defendeu.

500 mil empregos prometidos por JLo ainda são "miragem"

O Governo angolano prevê criar 83.500 empregos, até 2021, no âmbito do Plano de Ação para a Promoção da Empregabilidade (PAPE), aprovado em abril de 2019, anunciou o Ministério da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social.

Num comunicado enviado esta terça-feira à agência de notícias Lusa, o ministério afirmou que os postos de trabalho serão criados no quadro do PAPE, cuja estratégia de operacionalização foi apreciada, na segunda-feira, durante a oitava reunião da comissão económica do Conselho de Ministros.

Assistir ao vídeo 02:15

Jovens angolanos criam urna eletrónica contra fraudes eleitorais

Na campanha eleitoral para as eleições de 2017, o candidato João Lourenço, atual Presidente de Angola, prometeu criar 500 mil novos empregos até ao final da legislatura, em 2022.

Segundo Francisco Teixeira, a nova promessa não passará disso mesmo, afirmando que a criação dos 500 mil empregos prometidos em 2017 "até agora ainda é uma miragem".

Os jovens continuam a ser os mais afetados na alta taxa de desemprego que o país regista.

Com vista a encontrar mecanismos para inverter a situação, o MEA promove, no sábado, em Luanda, uma mesa redonda sobre o "Desemprego como Fator de Instabilidade, Causas e Soluções".

De acordo com líder associativo, o encontro vai avaliar o processo de empregabilidade em Angola, "sugerir métodos e meios para mitigar a questão do desemprego no seio dos jovens e esclarecer a juventude sobre a importância do empreendedorismo cultural".

Francisco Teixeira disse ainda que está já em preparação a quinta manifestação nacional contra o desemprego em Angola agendada para 26 e 27 de setembro.

"Vamos fazer 48 horas na rua para exigir do Estado mais seriedade e mais responsabilidade na questão da empregabilidade", rematou.

Assistir ao vídeo 03:38

Emissora de TV aposta em jovens talentos do jornalismo angolano

Leia mais