Longas filas para eleger o próximo Presidente da Libéria | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 10.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Longas filas para eleger o próximo Presidente da Libéria

Presidente cessante da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, lembrou que as eleições desta terça-feira são especiais. Muitos eleitores já estavam na fila para votar ao raiar do sol.

default

Filas para votar numa assembleia de voto em Monróvia, capital da Libéria

Mais de dois milhões de eleitores foram chamados às urnas, esta terça-feira (10.10), para eleger o sucessor da Presidente Ellen Johnson Sirleaf.

"Tudo o que precisamos é de paz, queremos paz, um país pacífico, e que as coisas corram bem", afirmou um dos cidadãos esta manhã.

A atual chefe de Estado e Nobel da Paz deixa o cargo após cumprir dois mandatos de seis anos.

Ellen Johnson Sirleaf tomou posse em janeiro de 2006, menos de três anos depois da guerra civil na Libéria, em que morreram mais de 250 mil pessoas. Segundo a Presidente cessante, esta será "a primeira vez em três gerações que vamos transferir o poder presidencial de forma democrática e pacífica de um líder eleito para outro."

Liberia Monrovia Wahlen

Muitos eleitores colocaram-se na fila de espera ainda de madrugada

Três favoritos

Nestas eleições, há três favoritos entre os vinte candidatos presidenciais: o atual vice-Presidente, Joseph Boakai, do Partido da Unidade; o antigo futebolista George Weah, agora líder do maior partido da oposição, o Congresso para a Mudança Democrática, e Charles Brumskine, do Partido da Liberdade.

Só uma mulher se candidata à Presidência, a ex-modelo e filantropa MacDella Cooper, que, segundo os analistas, deverá ter poucas hipóteses de ganhar a eleição.

Durante a campanha eleitoral, os candidatos prometeram reduzir a pobreza, travar a corrupção e revitalizar a economia.

Ouvir o áudio 02:55
Ao vivo agora
02:55 min

Longas filas para eleger o próximo Presidente da Libéria

A Libéria está em recessão desde a epidemia do ébola, entre 2014 e 2015, que provocou a morte de quase 5.000 pessoas. Por isso, Edwina Jerome, que votou esta terça-feira pela primeira vez, pede melhorias.

"Espero que o próximo líder seja transparente e seja um líder que aja no interesse das pessoas", afirma Jerome, para quem é necessário, por exemplo, melhorar o sistema de educação e ter "mais pessoal de saúde e melhores equipamentos, para que, quando as pessoas adoecem, não tenham de sair do país para serem tratadas."

Possível segunda volta

O mundo está a olhar para a Libéria, avisou a Presidente cessante, Ellen Johnson Sirleaf, na véspera das eleições. "Vamos fazer com que eles e nós fiquemos orgulhosos", acrescentou.

A monitorizar a votação estiveram observadores da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, da União Africana, da União Europeia e dos Estados Unidos da América.

Os primeiros resultados oficiais deverão ser divulgados dentro de 48 horas. Como ninguém deverá conseguir mais de 50% dos votos, porque há muitos candidatos na corrida à Presidência, espera-se uma segunda volta em novembro com os dois políticos mais votados.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados