Liga Guineense dos Direitos Humanos denuncia tortura de jovens pela polícia | Guiné-Bissau | DW | 06.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Liga Guineense dos Direitos Humanos denuncia tortura de jovens pela polícia

Três jovens foram espancados e torturados pelas forças de segurança em Bafatá, leste da Guiné-Bissau. É a denúncia da Liga Guineenses dos Direitos Humanos, que critica a ação policial como "nojenta" e "cobarde".

Bafatá (Foto ilustrativa)

Bafatá (Foto ilustrativa)

Segundo a organização não-governamental guineense, três jovens, entre os quais o presidente do Conselho Regional de Juventude, foram hoje detidos em Bafatá pela polícia por pretenderem "organizar uma manifestação pacífica para exigir o direito à energia elétrica naquela cidade".

"Os três jovens detidos foram torturados na esquadra da polícia local e de seguida humilhados na praça pública, numa clara ostentação da brutalidade e de desrespeito pela dignidade da pessoa humana", referiu a organização, em comunicado divulgado nas redes sociais, esta segunda-feira (05.07).

A Liga Guineense dos Direitos Humanos considera que a atuação da polícia contra cidadãos inocentes, que classifica de "nojenta e criminosa", "espelha a dimensão da ignorância e impreparação de alguns elementos das forças de segurança para o exercício da nobre missão de manutenção da ordem e tranquilidade públicas".

"Ato cobarde"

A organização condena o "ato cobarde e exige a identificação e consequente responsabilização criminal dos seus autores".

A Liga Guineense dos Direitos Humanos exige também a "instauração de um competente procedimento disciplinar contra os autores morais e materiais, tendente à expulsão dos mesmos das forças policiais".

"A Liga exige a libertação imediata e incondicional de todos os detidos e responsabiliza o Estado pela integridade física dos mesmos", lê-se no comunicado.

Assistir ao vídeo 07:13

Berlinale: "O povo guineense não merecia isso", diz ator guineense Welket Bungué

Leia mais