Líderes políticos são detidos em aparente golpe de Estado no Sudão | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 25.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Líderes políticos são detidos em aparente golpe de Estado no Sudão

Forças militares controlam movimentação de civis por Cartum após prisão de líderes políticos. Internet e telecomunicações estão restritas e aeroporto da capital está encerrado. Casa do primeiro-ministro está cercada.

Sudan Khartum | Straßensperre von Soldaten nach Putschversuch

Militares nas ruas após tentativa de golpe em setembro

Membros civis do Conselho Soberano de Transição, ministros do Governo de transição e um grande número de líderes partidários pró-governamentais foram presos esta segunda-feira (25.10), após uma ação de forças militares conjuntas. A internet foi cortada em todo o país, enquanto manifestantes se concentravam nas ruas da capital Cartum para protestarem contra as detenções.

O Exército sudanês e forças paramilitares restringem o movimento de civis pelas ruas da capital. Mesmo assim, a agência Reuters noticia protestos com pneus queimados e a bandeira nacional em diferentes áreas da cidade.

Enquanto as lideranças civis do país estavam a ser presas, antes do amanhecer de segunda-feira, a Al Hadath TV informava que um proeminente grupo pró-democracia apelava aos sudaneses para irem para as ruas resistir a qualquer golpe militar.

A notícia chega apenas dois dias depois de uma facção sudanesa pedir a transferência do poder para o governo civil ter sido advertida de um "golpe rastejante", durante uma conferência de imprensa que um ataque não identificado da máfia tinha procurado evitar.

Aufstand im Sudan

Protesto contra contolo militar do Governo

Divisão crescente

Há pouco mais de uma semana, dezenas de manifestantes pró-militares marcharam por três exigindo a demissão do primeiro-ministro Abdalla Hamdok. Por outro lado, na semana passada, dezenas de milhares de sudaneses marcharam em várias cidades para apoiar a transferência total do poder para os civis.

O Sudão tem vindo a passar por uma transição precária marcada por divisões políticas e lutas pelo poder desde a saída do presidente Omar al-Bashir, em abril de 2019.

Desde Agosto de 2019, o país tem sido liderado por uma administração civil-militar encarregada de supervisionar a transição para um Governo completamente civil.

O principal bloco civil - as Forças pela Liberdade e Mudança (FFC) - que liderou os protestos anti-Bashir em 2019, dividiu-se em duas facções opostas. "A crise está engendrada e tem a forma de um golpe de Estado", disse o líder do FFC Yasser Arman na conferência de imprensa de sábado na capital Cartum.

"Renovamos a nossa confiança no governo, primeiro-ministro Abdalla Hamdok, e na reforma das instituições de transição, mas sem ditadura ou imposição", acrescentou Arman.

Sudan's Premierminister Abdalla Hamdok

Primeiro-ministro Abdalla Hamdok

"Forma de golpe de Estado"

Hamdok descreveu anteriormente as divisões no governo de transição como a "pior e mais perigosa crise" que a transição enfrenta. No sábado, Hamdok negou os rumores de que tinha concordado com uma remodelação do gabinete, chamando-os de "não exactos". O primeiro-ministro também "salientou que não monopoliza o direito de decidir o destino das instituições de transição". 

No sábado, Hamdok negou os rumores de que tinha concordado com uma remodelação do gabinete, salientado que não monopolizara o direito de decidir o destino das instituições de transição. 
 Também no sábado, o enviado especial dos EUA para o Corno de África, Jeffrey Feltman, reuniu-se com Hamdok, com o presidente do órgão governamental do Sudão, o general Abdel Fattah al-Burhan, e o comandante paramilitar Mohamed Hamdan Daglo. 

Feltman "destacou o apoio dos EUA a uma transição democrática civil, em conformidade com os desejos expressos pelo povo sudanês", segundo a embaixada dos EUA em Cartum. 
 Os analistas dizem que as recentes manifestações mostram um forte apoio a uma democracia liderada por civis, mas os protestos de rua podem ter pouco impacto nas fações que pressionam para um regresso ao domínio militar. 
Há muito que existem tensões entre os dois lados, mas as divisões aumentaram após um golpe de Estado falhado a 21 de setembro deste ano.


[Em atualização]

Assistir ao vídeo 01:26

Revoltas no Sudão: A dor de perder um filho

Leia mais