João Lourenço pede desculpas pelo 27 de Maio em nome do Estado angolano | Angola | DW | 26.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

João Lourenço pede desculpas pelo 27 de Maio em nome do Estado angolano

Presidente angolano pede desculpas públicas às vítimas do massacre de 27 de Maio de 1977 e aos seus familiares e fala em "sincero arrependimento". Milhares de angolanos foram acusados de tentativa de golpe.

No seu discurso, esta quarta-feira (26.05), para anunciar os resultados da Comissão  Reconciliação em Memória às Vítimas dos Conflitos Políticos (CIVICOP), o Presidente João Lourenço reconheceu que a resposta do Estado ao que considerou tentativa de Golpe de Estado de 1977 foi desproporcional e vitimou, inclusive, inocentes.  

O chefe de Estado angolano disse que o momento agora "não é de se apontar dedos". Volvidos mais de quatro décadas do massacre, o Estado quebra finalmente o silêncio e pede desculpas públicas às vitimas e aos seus familiares.  

"Este pedido público de desculpas e de perdão não se resume a simples palavras, ele reflete o nosso sincero arrependimento e vontade de pôr fim à angustia que ao longo destes anos as famílias carregam consigo por falta de informação sobre destino dado aos seus ente-queridos".  

João Lourenço encorajou, na ocasião, outros atores que participaram nos conflitos políticos a terem o mesmo procedimento.  

"Este povo heróico e generoso que já deu provas de saber perdoar merece ouvir igualmente de quem tem a responsabilidade de o fazer, um pedido público de desculpas e de perdão pelas almas de Tito Chingunji, de Wilson dos Santos e respetivas famílias, das valentes mulheres das figuras da Jamba, dos passageiros do comboio do Zenza do Itombe, dos mártires da cidade do Cuito-Bié, do Huambo e de outros não citados aqui", enfatizou Lourenço.

Assistir ao vídeo 02:39

27 de maio de 1977: Memórias de Carlos Taveira

Declaração de João Lourenço de "soberana e sublime"

Em reação, Eugénio Manovokola, figura histórica da UNITA, maior partido da oposição, diz não ser da competência do Presidente João Lourenço falar sobre os passivos do "Galo Negro". Contudo, classifica a declaração de João Lourenço de "soberana e sublime", mas lembra que há outras vitimas que devem ser incluídas nesse processo.  

"Foi bom ter estendido essa iniciativa às vítimas do conflito de Luanda de 1992, [mas] muito mais do que isso. Há, por exemplo, as vítimas do Mutietie (Bie) que não estão incluídas", recorda Manovokola.

Também vai começar o processo de localização dos restos mortais de Alves Bernardo Nito Alves, Jacob João Caetano "Monstro Imortal", Cita "Vales", José Vieira Dias Vandu-nem, os músicos Urbano de Castro, David Zé e Artur Nunes, entre outros para exumação e entrega aos familiares.  

Este processo estender-se-á também às vítimas do conflito de 1992, que vitimou figuras da UNITA, como Jeremias Chitunda, Elias Salopeto Pena e Mango Alicerces.    

Esta quinta-feira (27.05), comemoram-se os 44 anos do massacre do 27 de Maio de 1977 e começam a ser entregues, simbolicamente, os certidões de óbito aos familiares dos milhares de vítimas.

Também haverá homenagem, no Cemitério da Santa Ana, em Luanda, afirmou o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos Francisco Queirós.  

"Estaremos no dia 27 de maio para lembrar esse acontecimento para que nunca mais aconteça", prometeu Queirós.  

Assistir ao vídeo 02:14

Francisco Rasgado jamais esquecerá o 27 de maio de 1977


 

Leia mais