Guiné-Bissau: Primeiro-ministro fala em ″ameaças sérias″ à estabilização do país | Guiné-Bissau | DW | 28.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: Primeiro-ministro fala em "ameaças sérias" à estabilização do país

O primeiro-ministro guineense aponta a realização de manifestações não autorizadas como uma das "ameaças" à estabilização do país, após a morte de um cidadão em protesto. Comité de sanções da ONU vai avaliar situação.

Aristides Gomes, primeiro-ministro da Guiné-Bissau

Aristides Gomes, primeiro-ministro da Guiné-Bissau

Na Guiné-Bissau, o primeiro-ministro Aristides Gomes disse este domingo (27.10) que há "ameaças sérias" para a estabilização do país e criticou a posição do Presidente da República, José Mário Vaz, que acusa o Governo de não servir os interesses do país.

"Estamos face a ameaças muito sérias para a estabilização do nosso país. Temos dois fatores que concorrem para o objetivo que seria parar o processo conducente à realização das eleições" presidenciais, marcadas para 24 de novembro, afirmou Gomes, que falava em conferência de imprensa na sua residência oficial, em Bissau.

O chefe do Governo guineense apontou como primeira "ameaça" o alegado áudio do candidato às presidenciais Umaro Sissoco Embaló, que o levou a denunciar uma tentativa de golpe de Estado.

Neste áudio, segundo Aristides Gomes, há palavras chaves, nomeadamente "golpe de Estado" e "prisão do primeiro-ministro e membros do Governo".

Manifestações não autorizadas

O segundo fator, de acordo com o primeiro-ministro, é a tentativa de realizar manifestações não autorizadas para que o vandalismo tenha lugar. No último sábado (26.10), um protesto não autorizado pelo Ministério do Interior e disperso pelas forças de segurança resultou em dois feridos e um morto.

No entanto, o Governo afirma que o manifestante não morreu no local, nem devido a confrontos físicos com as forças de segurança.

Proteste in Guinea Bissau

Protesto de sábado (26.10) foi marcado pela repressão policial

"O objetivo é criar uma situação sombria para o país para justificar a interrupção do processo para a realização de eleições", salientou. "Por isso, é que o Presidente, como alguém que está implicado diretamente neste processo, nesta ação sombria, tem um discurso, uma narrativa, que precipita a criação dessa situação sombria", frisou Aristides Gomes.

"Governo não está a servir os interesses do país"

Ainda no sábado, o Presidente José Mário Vaz disse que a repressão do protesto agrava a discórdia e as desconfianças sobre o processo eleitoral e que o Governo não está a servir os interesses do país.

Entretanto, Aristides Gomes disse que o Presidente "não permite ao Governo explicar-se, não permite ao Governo fazer inquérito, nem sequer pede que um inquérito seja realizado, e decide imediatamente que tudo é da responsabilidade do Governo".

 Aristides Gomes und José Mário Vaz Guinea-Bissau

Primeiro-ministro ao lado do Presdiente José Mário Vaz (dir.)

"Horas depois de ter feito uma reunião com os atores que quiseram fazer uma manifestação sem autorização, que estavam a violar a lei, o Presidente faz uma reunião com eles e logo a seguir faz uma declaração a culpar o Governo sem que um inquérito tenha tido lugar", acrescentou.

Para Aristides Gomes, há uma "estratégia previamente concebida e há um julgamento sumário em que o Governo deveria ser executado" sem ser ouvido. "Estas circunstâncias são gravíssimas e nunca as vimos na história da democracia do país", salientou.

O primeiro-ministro garantiu que o Governo está vigilante em "relação à estratégia de demolição, à estratégia de criar uma zona sombria para o país, às ações para organizar uma destruição pensada das coisas".

Inquérito

Os organizadores do protesto de sábado pediram à Procuradoria-Geral da República (PGR) e às Nações Unidas a abertura de um inquérito para investigar a morte do manifestante.

O presidente do comité de sanções para a Guiné-Bissau do Conselho de Segurança das Nações Unidas chegou este domnigo (27.10) a Bissau para avaliar a situação política no país.

Em comunicado enviado à imprensa, a Missão Integrada da ONU para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau (UNIOGBIS) refere que o embaixador Anatólio Ndong Mba vai permanecer no país até quarta-feira.

Leia mais