Guiné-Bissau: Polícia usa gás lacrimogéneo para reprimir manifestação | Guiné-Bissau | DW | 26.10.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: Polícia usa gás lacrimogéneo para reprimir manifestação

A polícia guineense dispersou hoje uma tentativa de manifestação de oposição, que questiona processo eleitoral. Um homem morreu na capital. Liga dos Direitos Humanos condenou "uso de força desproporcional" pela polícia.

A polícia da Guiné-Bissau dispersou neste sábado (26.10), com recurso a gás lacrimogéneo, uma tentativa de manifestação em Bissau organizada por vários partidos de oposição e apoiantes de dois candidatos independentes às eleições presidenciais de 24 de novembro. Segundo informou a agência de notícias Lusa, um homem morreu durante a manifestação em Bissau.

Na sequência, a Liga Guineense dos Direitos Humanos condenou o "uso de força desproporcional" pela polícia contra a manifestação de partidos que contestam o Governo. Em comunicado, a Liga exige ao Ministério Público a abertura de um inquérito para apurar em que circunstâncias morreu o cidadão guineense.  

A manifestação, proibida pelo Governo, foi organizada pelo Partido da Renovação Social (PRS), Movimento pela Alternância Democrática (MADEM-G15) e Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático Guiné-Bissau (APU-PDGB) para reclamar da forma como estão a ser organizadas as eleições presidenciais.

Pela manhã, milhares de pessoas reuníram-se na Avenida dos Combatentes da Liberdade da Pátria, que liga o centro da cidade de Bissau ao aeroporto. A circulação automóvel ficou interrompida numa das faixas de rodagem, junto à sede do partido PRS.

Ministério do Interior

Sitz PRS - Partei von Guiné-Bissau

Sede nacional do partido PRS

Num comunicado, o ministério do Interior guineense anunciou a abertura do inquérito sobre a morte ocorrida na manifestação e prometeu responsabilizar os implicados, e garantiu que não vai tolerar atos que ponham em causa a integridade dos cidadãos do país. 

Na sexta-feira (25.10), o ministério do Interior explicou numa carta enviada aos organizadores do protesto que esse não era autorizado por o executivo não ter condições de garantir a segurança necessária à manifestação. 

"Gostaríamos de comunicar-vos que, lamentavelmente, o ministério do Interior não se encontra em condições de garantir a segurança necessária à vossa manifestação, pelo que objeta a realização da referida manifestação", refere o ministério do Interior na carta enviada aos organizadores do protesto e divulgada à imprensa no final do dia de sexta-feira.

O ministério justificou a sua decisão salientando que a lei prevê que as pessoas ou entidades que pretendem realizar manifestações devem avisar com antecedência mínima de quatro dias úteis e que só recebeu a carta na quinta-feira. 

Aparato de segurança

Proteste in Guinea Bissau

Polícias dispersam manifestantes em Bissau

"Isto significa dizer que em vez de quatro dias mínimos de antecedência, o ministério do Interior apenas dispõe de um dia para organizar todo o aparato de segurança para assegurar que a marcha decorra num ambiente ordeiro, tendo em vista a proteção da integridade dos cidadãos e dos seus bens", salienta a carta.

O ministério salienta também que a lei obriga aos organizadores do protesto a indicarem a hora de início da manifestação, que não consta da carta.

O partido PRS e o MADEM-G15, na oposição, e a APU-PDGB, que faz parte da coligação no Governo, anunciaram um protesto par este sábado, para reclamar a forma como estão a ser organizadas as eleições presidenciais guineenses, marcadas para 24 de novembro. 

Na sua página da rede social Facebook, a Liga Guineense dos Direitos Humanos também manifestou-se contra a decisão do Governo de proibir o protesto.

 

 

 

Leia mais