Guiné-Bissau: Perfil de Carlos Gomes Júnior | NOTÍCIAS | DW | 28.02.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Guiné-Bissau: Perfil de Carlos Gomes Júnior

Carlos Gomes Júnior, candidato do PAIGC para as presidencias de 18 de Março é amante do desporto, dialogante e direto. Já assumiu vários cargos políticos, inclusive o de primeiro ministro nos últimos anos.

Carlos Gomes Júnior, candidato do PAIGC para as presidencias de 18 de Março de 2012

Carlos Gomes Júnior, candidato do PAIGC para as presidencias de 18 de Março de 2012

Homem de negócios, tido pelos seus principais colaboradores como "organizado e trabalhador", Carlos Gomes Júnior esteve à frente de vários projetos de índole social. Ele criou e presidiu, durante largos anos, o Rotary Club de Bissau e foi presidente da União Desportiva Internacional de Bissau (UDIB), que é uma das mais emblemáticas agremiações desportivas do país. Carlos Gomes Júnior é um apaixonado pelo futebol tendo mesmo sido jogador de futebol na sua adolescência.

Como tudo começou...

O percurso militante de Carlos Gomes Júnior no PAIGC - Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde - teve início nos Comités de Base do Setor Autónomo de Bissau, nomeadamente, no Bairro do Chão de Papel Varela.

Durante a realização do V Congresso do PAIGC, em 1991, participou, pela primeira vez, como delegado do partido. No VI Congresso foi eleito membro do Bureau Político, isto em 1998. Mas, já nas primeiras eleições multipartidárias, que se realizaram em 1994, Carlos Gomes Júnior tinha sido eleito deputado da nação para um dos círculos eleitorais.

Na qualidade de membro da bancada parlamentar do PAIGC, desempenhou as funções de Presidente da Comissão para os Assuntos Económicos da Assembleia Nacional Popular, assumindo posteriormente a vice-presidência e a presidência do órgão.

O que se diz e espera de Júnior

85 por cento da população é considerada pobre

85 por cento da população é considerada pobre


Mamudo Djao, Diretor do INEP, Instituto Guineense de Estudo e Pesquisa, comenta o percurso politico de Carlos Gomes Júnior dizendo que “para se chegar ao posto de presidente de um partido como o PAIGC, contam o desempenho e a confiança dos militantes.”

O analista guineense compara os resultados do período de governação de Carlos Gomes Júnior com tempos passados e acha que houve claras melhorias. Mamudo Djao espera, por isso, que “o desempenho que ele teve a nível do governo possa ser o mesmo enquanto Presidente da República.”

Nem tudo são rosas

Em 2004, Carlos Gomes Júnior ganhou as eleições legislativas, mas 17 meses depois seria exonerado pelo Presidente 'Nino' Vieira sob a alegação de "grave crise institucional". Em 2006, na sequência de uma declaração pública feita por Carlos Gomes Júnior, homens armados, alegadamente a mando do Presidente, tentaram prender o líder do PAIGC na sede do partido, em Bissau.

O que não aconteceu porque Carlos Gomes Júnior se refugiou na sede da ONU, saindo de lá após negociações que envolveram a comunidade internacional.

Em 2004, Carlos Gomes Júnior ganhou as eleições legislativas, mas 17 meses depois seria exonerado pelo ex-Presidente Nino Vieira (na foto) sob a alegação de grave crise institucional

Em 2004, Carlos Gomes Júnior ganhou as eleições legislativas, mas 17 meses depois seria exonerado pelo ex-Presidente Nino Vieira (na foto) sob a alegação de "grave crise institucional"

Novamente no poder, Carlos Gomes Júnior tem prometido aos guineenses que irá concluir o projecto interrompido "pela via da força" em 2004. No entanto, a sua nomeação ao cargo de primeiro-ministro tem conhecido várias peripécias desde a publicação dos resultados eleitorais em finais de Novembro.

Confiança na vitória

Agora para as eleições presidenciais de 18 de Março o candidato do PAIGC diz: “O povo confia em mim e, naturalmente, tenho de confiar na vitória.”

Num país em que cerca de 85 por cento da população é considerada pobre, as ações de caridade de Carlos Gomes Júnior chamam atenção para um homem que é considerado pouco extrovertido mas um político hábil e que, apesar de, por vezes, ser emotivo, é directo e dialogante.

Autor: Braima Darame (Bissau)
Edição: Carla Fernandes / António Rocha

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados