Governo nigeriano negocia cessar-fogo com o Boko Haram | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 25.03.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Governo nigeriano negocia cessar-fogo com o Boko Haram

Negociações já ocorrem há algum tempo, segundo informou o Governo à agência de notícias Reuters. Conversações estreitaram-se depois do rapto de mais de 100 meninas em fevereiro.

Em Dapchi, a escola de onde as mais de 100 meninas foram levadas em fevereiro

Em Dapchi, a escola de onde as mais de 100 meninas foram levadas em fevereiro

O Governo da Nigéria afirmou este domingo (25.03) que está em negociações com o grupo radical islâmico Boko Haram para um possível cessar-fogo permanente. Segundo o ministro da Informação, Lai Mohammed, em declarações à Reuters, as conversações já estão em andamento há algum tempo.

É a primeira vez em anos que a Nigéria diz que está negociando um cessar-fogo com o Boko Haram. O Governo do Presidente Muhammadu Buhari disse anteriormente estar disposto a manter conversações com o grupo, mas não avançou detalhes.

O Boko Haram travou uma insurgência no nordeste da Nigéria e países vizinhos desde 2009, onde pretendia criar um estado islâmico. Dezenas de milhares de pessoas foram mortas, mais de 2 milhões de deslocados e outros milhares sequestrados.

Mohammed fez sua declaração num e-mail à Reuters destacando a libertação de mais de 100 jovens na semana passada pelo grupo, após terem sido sequestradas a 19 de fevereiro na cidade de Dapchi, no nordeste do país. Foi o maior rapto em massa desde que mais de 270 meninas foram levadas da cidade de Chibok em 2014. As meninas reuniram-se às suas famílias neste domingo.

Libertação

Os combatentes do Boko Haram chocaram os moradores de Dapchi na quarta-feira passada ao entrarem na cidade para libertar as meninas, que disseram que cinco morreram em cativeiro e uma ainda não havia sido libertada.

"É desconhecido por muitos, mas temos estado em negociações de cessação de hostilidade com os insurgentes há algum tempo", disse Mohammed. "Conseguimos estreitar as conversas quando as meninas Dapchi foram sequestradas".

Mohammed disse que um cessar-fogo de uma semana, a partir de 19 de março, foi aceito para permitir que o grupo entregasse as meninas.

Leia mais