Governo de Angola quer cortar 1.500 milhões de euros nas despesas | Angola | DW | 31.10.2017

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Governo de Angola quer cortar 1.500 milhões de euros nas despesas

O Exceutivo prevê cortes com o fornecimento de bens e serviços em cerca de 30% em relação ao atual Orçamento Geral do Estado.

O Plano Intercalar do Governo, a aplicar até março, reconhece que "algumas medidas de política necessárias e inadiáveis podem ser impopulares" e por isso "politicamente sensíveis".

Uma das medidas refere a redução nas despesas com bens e serviços em 30% face aos valores do Orçamento Geral do Estado (OGE) de 2017.

No OGE em vigor, o Governo do ex-Presidente José Eduardo dos Santos inscreveu uma verba de 944.844 milhões de kwanzas (4.900 milhões de euros) para aquisição de bens e serviços, o que representa 12,8% do total da despesa do Estado.

A rubrica diz respeito a itens como a aquisição de combustíveis, lubrificantes, alimentos, material de consumo corrente, serviços de telecomunicações, de saúde, de ensino e formação, água e eletricidade, hospedagem e alimentação, limpeza e saneamento, manutenção e conservação, além de todo o tipo de serviços de transporte.

ANGOLA Verteidigungsminister João Lourenço (L)

João Lourenço, Presidente de Angola

Cortar 30% na aquisição de bens e serviços, como previsto pelo novo Executivo de João Lourenço, poderá significar uma poupança de cerca de 283.500 mil milhões de kwanzas, 1.470 milhões de euros, para o Estado.

O O Plano Intercalar refere ainda que o Governo vai "rever benefícios de ex-governantes, particularmente dos que se encontram em funções em organismos públicos", assim como "implementar o Pacote Legislativo dos Preços e Concorrência para efeitos de controlo dos gastos com subsídios a preços".

Está previsto igualmente a concentração do investimento público "nos projetos estruturantes provedores de bens públicos e promotores da diversificação da economia" e a exploração de "parcerias público-privadas nos investimentos em infraestrutura e na oferta de bens públicos e semipúblicos essenciais".

O Plano Intercalar foi aprovado na primeira reunião do Conselho de Ministros presidida pelo novo chefe de Estado, João Lourenço, a 10 de outubro.

Leia mais