Governo da Guiné-Bissau interdita atividade pesqueira em janeiro | NOTÍCIAS | DW | 10.12.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Governo da Guiné-Bissau interdita atividade pesqueira em janeiro

Governo guineense vai proibir toda a atividade de pesca durante o mês de janeiro, no âmbito do período de repouso biológico e marinho, segundo o secretário-geral do Ministério das Pescas da Guiné-Bissau, Maurício Sanca.

"Pela primeira vez, em 48 anos, da nossa independência que o nosso mar será fechado à atividade de pesca", notou o secretário-geral do Ministério das Pescas da Guiné-Bissau, Maurício Sanca, aludindo ao programa "No Fitcha no mar pa amanhã" (Fechemos o nosso mar para garantir o futuro).

A decisão foi tomada no âmbito da observação do período de repouso biológico e marinho, decretada pelo Governo em Conselho de Ministros, realizado no passado dia 2.

O período de interdição de pesca em janeiro justifica-se com o facto de ser o mês em que há maior reprodução do peixe, assinalou Maurício Sanca, que vê a iniciativa como fator que vai permitir a regeneração de espécies.

A medida também vai permitir ao país ter elementos para elaborar um novo plano de gestão de recursos haliêuticos em 2022 a partir de um estudo a ser feito também em janeiro, observou Sanca, salientando que a pesca "é uma das principais fontes de recursos" do Estado guineense. 

Reforço da vigilância

Gana: Da exploração piscícola à mesa

De 1 a 31 de janeiro, o patrulhamento das águas da Guiné-Bissau, incluindo na Zona Económica Comum com o Senegal, será reforçado para que não seja permitida qualquer atividade de navios de pesca que podem acostar em Bissau ou nos países vizinhos, disse o secretário-geral do Ministério das Pescas.

Três navios de "grande porte" vão participar na fiscalização do período do repouso biológico e ainda várias "pequenas embarcações", num trabalho que contará com entidades como o Ministério das Pescas, Guarda Nacional, Marinha de Guerra, Estado-Maior General das Forças Armadas e várias outras instituições estatais.

Maurício Sanca disse ainda à agência Lusa que todos os parceiros, nomeadamente armadores de pesca, Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), União Europeia, Senegal, entre outros, foram avisados sobre a decisão "soberana da Guiné-Bissau em fechar o mar durante 31 dias", afirmou. 

"A quem for apanhado a desrespeitar essa decisão do Estado da Guiné-Bissau será imediatamente aplicada uma multa rápida conforme está na Lei Geral de Pesca", acrescentou o secretário-geral do Ministério das Pescas.

Leia mais