1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Em África, há um futuro risonho para os smartphones, dizem os especialistas
Em África, há um futuro risonho para os smartphones, dizem os especialistasFoto: Justin Sullivan/Getty Images For The Clinton Foundation

Futuro risonho para smartphones em África leva jovens a inovar

18 de outubro de 2012

No Uganda, jovens programadores criaram uma aplicação para smartphones que poderá mudar radicalmente os cuidados pré-natais em áreas remotas. Ao criar a aplicação, os jovens quiseram preparar o dia de amanhã.

https://p.dw.com/p/16SPl

Cerca de 10% das crianças que nascem no Uganda morrem antes de completarem 5 anos, segundo estimativas do Banco Mundial. As mulheres grávidas têm bastantes dificuldades em aceder a cuidados de saúde. Estima-se que há apenas uma parteira para cada 5000 grávidas no país. Muitas delas têm de andar grandes distâncias para se deslocarem à clínica mais próxima.

Para ajudar a combater o problema, o programador de software Aaron Tushabe e a sua equipa desenvolveram uma aplicação para smartphones chamada WinSenga. A aplicação mede o batimento cardíaco de bebés que ainda estão no ventre das mães.

“Não queremos que esta aplicação resolva os problemas apenas hoje. Queremos tornar esta solução viável para o futuro”, diz Tushabe. “Por isso usámos o smartphone como plataforma.”

A WinSenga usa um estetoscópio de Pinard – um instrumento parecido a uma corneta acústica. As parteiras usam estes estetoscópios há mais de um século para ouvir os batimentos cardíacos do feto.

A equipa modificou a corneta introduzindo um microfone no seu interior, que se liga, por sua vez, a um smartphone. A parteira coloca a corneta na barriga da mulher grávida, carrega num botão e o batimento cardíaco do feto aparece no visor do telemóvel.

Mobilidade

A aplicação recebeu este ano um galardão da Microsoft, que premeia inovações do sul e do leste africano. Mas a equipa diz que são precisos mais testes no terreno para que a aplicação possa ser implementada definitivamente.

A equipa que criou a aplicação WinSenga (da esquerda para a direita): Joshua Okello, Josiah Kavuma, Aaron Tushabe e Joseph Kaizzi
A equipa que criou a aplicação WinSenga (da esquerda para a direita): Joshua Okello, Josiah Kavuma, Aaron Tushabe e Joseph KaizziFoto: Aaron Tushabe

Aaron Tushabe espera que a WinSenga possa substituir ecografias caras, sobretudo em zonas onde não há eletricidade.

“Estamos a passar de um dispositivo que era fixo e não funcionava sem eletricidade para um dispositivo que é móvel e tem uma bateria, mesmo que dure apenas 5 a 10 horas”, refere.

Com um dispositivo móvel, as parteiras poderiam em breve dar assistência médica em áreas remotas.

"As pessoas estão interessadas"

Em África, o número de pessoas que utilizam telemóveis tem subido constantemente. A empresa de consultoria Gallup diz que cerca de 57 por cento dos adultos em 17 países da África Subsaariana tem um telemóvel. Ao todo fazem parte da região 48 países.

A maioria dos africanos considera os smartphones demasiado caros. Mas Aaron Tushabe está confiante que o número de utilizadores vai aumentar:

“As comunidades aqui em África têm recebido bem os smartphones, sobretudo os jovens.”

Henry Addo, um programador do Gana que trabalha para a empresa de tecnologia sem fins lucrativos Ushahidi, concorda.

“Se uma empresa se focar na produção de smartphones realmente baratos para a África Subsaariana, essa empresa vai fazer muito dinheiro, porque as pessoas estão interessadas nisso”, diz Addo.

Há cada vez mais pessoas a utilizar telemóveis em África e especialistas dizem que as comunicações móveis têm um grande potencial no continente
Há cada vez mais pessoas a utilizar telemóveis em África e especialistas dizem que as comunicações móveis têm um grande potencial no continenteFoto: picture alliance/Mika Schmidt

Os preços estão mesmo a baixar. Em 2011, a operadora de telecomunicações queniana Safaricom fez uma parceria com a fabricante de telemóveis chinesa Huawei para produzir um telefone Android que custa 80 dólares.

Mais conectividade

Mas o preço não é o único problema.

Erica Kochi, especialista em inovações tecnológicas da UNICEF, diz que os fabricantes terão de aumentar significativamente a duração da bateria dos smartphones se quiserem atingir o seu pleno potencial em África. Além disso, diz Kochi, os telefones terão de ser mais robustos e fáceis de reparar.

“Se estes desafios forem ultrapassados, haverá futuro", refere. "Há uma grande procura, não só de conectividade e comunicação, mas também de acesso a conteúdo mais rico e a informação.”

O futuro está à espreita. No Uganda, a UNICEF quer ajudar o programador Aaron Tushabe e a sua equipa na fase de implementação do sistema de monitorização dos batimentos cardíacos do feto.

Autor: Guilherme Correia da Silva
Edição: António Rocha

19.10 App Uganda Smartphones - MP3-Mono

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado