Família de Carlos São Vicente apela ao PM português que interceda junto de JL | Angola | DW | 17.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Família de Carlos São Vicente apela ao PM português que interceda junto de JL

Família do empresário luso-angolano, em prisão preventiva desde setembro de 2020, pede a António Costa que aborde o seu caso no encontro com o Presidente angolano, João Lourenço, esta terça-feira (19.05) em Paris.

Portugal wählt ein neues Parlament

António Costa, primeiro ministro de Portugal

Segundo uma nota enviada em nome da família Carlos São Vicente, a carta endereçada a António Costa salienta a condição de cidadão português e a "saúde cada vez mais precária" do empresário, bem como a forma como a prisão preventiva "ofende elementares princípios do Estado democrático de Direito", segundo um parecer de um constitucionalista.

É "chegada a altura a de o Estado português se manifestar diplomaticamente ao mais alto nível sobre uma situação que está a ser seguida em todo o mundo e envolve um cidadão seu, inocente e perseguido, indevidamente preso desde 22 de setembro de 2020", refere a missiva.

 A família salienta que as suas empresas em Portugal, que empregam mais de meia centena de trabalhadores, estão com ordenados em atraso e dívidas pendentes a bancos ao Estado e a fornecedores devido à situação criada pela justiça angolana.

Apelos ao Presidente francês

Entretanto, numa carta endereçada ao Presidente Emmanuel Macron, a que a DW teve acesso, a família São Vicente também lança apelos ao Governo francês.

O documento reforça que o empresário Carlos São Vicente foi "detido arbitrariamente em Luanda" e encontra-se em condições que colocam a sua vida em risco.

Desta forma, a carta apela ao Presidente francês que considere a situação ao discutir parcerias económicas com Angola, afirmando que o "apego ao Estado de Direito deve ser um pré-requisito para qualquer cooperação".

O processo

Carlos São Vicente, dono do grupo de empresas AAA, um dos maiores conglomerados privados de Angola, e detentor durante vários anos do monopólio de seguros e resseguros da Sonangol, foi formalmente acusado dos crimes de peculato, branqueamento de capitais e fraude fiscal, tendo sido notificado do despacho de acusação no dia 17 de março.

 A Procuradoria-Geral da República de Angola pediu também o congelamento de contas bancárias e apreensão de bens de Irene Neto, filha do primeiro Presidente angolano, Agostinho Neto, e mulher do empresário.

António Costa e João Lourenço vão manter um encontro bilateral numa reunião sobre o futuro das economias africanas, a convite do Presidente francês, Emmanuel Macron, para discutir o financiamento da dívida africana e o futuro do setor privado no continente com líderes africanos e europeus.

Artigo atualizado às 17h35 (Tempo Universal Coordenado) de segunda-feira (17.05) com a informação sobre a carta enderaçada ao Presidente francês.

Assistir ao vídeo 04:12

Luanda Leaks: União Europeia promete tolerância zero para "dinheiro sujo"

Leia mais