Ex-embaixador moçambicano na Rússia em tribunal por desvio de 150 mil euros | Moçambique | DW | 09.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Ex-embaixador moçambicano na Rússia em tribunal por desvio de 150 mil euros

Bernardo Chirinda, antigo embaixador de Moçambique na Rússia, está a ser acusado de desvio de fundos, entre 2003 e 2012, num valor total de mais de 167 mil dólares (150 mil euros). Um "verdadeiro saque", segundo o juiz.

Bernardo Chirinda, que esteve esta quinta-feira (08.08) no Tribunal Judicial da Cidade de Maputo para uma primeira sessão, é acusado de ter orquestrado um "verdadeiro saque", de acordo com o juiz de causa Rui Davane, na leitura dos autos.

Segundo a acusação, além de gastos excessivos em viagens, o antigo embaixador terá desviado durante três anos o 13.º salário dos trabalhadores, além de forjar pagamentos a funcionários sem vínculos com a embaixada.

 As ações de corrupção foram facilitadas pelo seu adido financeiro na época, Horácio Matola, segundo os autos.

Embaixador acusa antigos ministros

O embaixador lança parte das acusações aos seus antigos superiores hierárquicos, no caso os antigos ministros dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Leonardo Simão e Oldemiro Baloi.

Oldemiro Baloi, mosambikanischer Außenminister

Ex-chefe da diplomacia Oldemiro Baloi

A justiça ouviu Leonardo Simão e Oldemiro Baloi, que negaram ter autorizado pagamentos indevidos. O antigo dirigente e o seu adido financeiro voltam ao tribunal no dia 16 de agosto para mais uma sessão.

Em caso de se provar os crimes pelos quais são acusados, podem ser condenados a penas que variam de 8 a 12 anos. 

Este é o segundo caso em que um antigo embaixador moçambicano está envolvido em corrupção. Em março, Amélia Sumbana, antiga embaixadora de Moçambique nos Estados Unidos, foi condenada a 10 anos pelos crimes de abuso de cargo, peculato e branqueamento de capitais.

 

Leia mais