EUA: ″A democracia prevaleceu″, diz Joe Biden | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 15.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

EUA: "A democracia prevaleceu", diz Joe Biden

O Colégio Eleitoral dos EUA certificou a vitória definitiva do democrata nas eleições presidenciais norte-americanas. Biden pede que o Presidente cessante, Donald Trump, reconheça a derrota.

Kamala Harris e Joe Biden

Kamala Harris e Joe Biden comemoram vitória nas eleições norte-americanas, em novembro

O Colégio Eleitoral dos Estados Unidos da América certificou na noite desta segunda-feira (15.12) a vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais norte-americanas. Com 306 votos, Biden ultrapassou largamente o mínimo de 270 necessários para ser declarado o 46.º Presidente dos EUA.

A vitória de Joe Biden foi ratificada depois de os delegados do Colégio Eleitoral pela Havai, o último dos 50 estados norte-americanos, atribuírem os quatro votos daquele estado ao democrata, que já tinha 302 votos e acabou com 306, de um total de 538. O Presidente cessante, o republicano Donald Trump, arrecadou apenas 232.

Donald Trump, Presidente cessante dos Estados Unidos

Joe Biden pediu que o republicano Donald Trump reconheça a derrota

O Presidente eleito dos EUA pediu que Donald Trump reconheça a derrota nas eleições de novembro. "Respeitar a vontade do povo é parte essencial da nossa democracia. Inclusive quando vemos esses resultados difíceis de aceitar. Mas essa é a obrigação de quem assumiu o dever jurado de respeitar a Constituição", disse o democrata num discurso. "A democracia prevaleceu." 

Biden também condenou os esforços de Trump para deslegitimar as eleições. "Os 306 votos eleitorais são os mesmos recebidos por Donald Trump e pelo vice-Presidente Mike Pence quando ganharam em 2016", afirmou.

"Naquela época, Trump considerou sua vantagem no Colégio Eleitoral uma vitória contundente. Segundo seus próprios padrões, estes números (306 a 232) representaram uma clara vitória naquele momento, e eu sugiro, respeitosamente, que também o faça agora", acrescentou. 

Recontagens de votos "infundadas"

O candidato democrata classificou sua vitória como "clara" e sublinhou que nem as recontagens em vários estados nem as derrotas judiciais "pararam as infundadas afirmações sobre a legitimidade dos resultados", condenando as tentativas do republicano de reverter a vontade popular.

Nos EUA, o Presidente não é escolhido por voto popular, mas por um sistema indireto, em função dos resultados eleitorais e da população de cada estado, com os mais populosos a ter direito a mais votos.

Joe Biden, de 78 anos, foi também o 47.º vice-Presidente do país, entre 20 janeiro de 2009 e 20 de janeiro de 2017, durante as duas administrações de Barack Obama.

A democrata Kamala Harris será a primeira mulher afro-americana e a primeira pessoa de origem indiana a ocupar a vice-Presidência dos EUA. A cerimónia de tomada de posse de Biden será realizada em 20 de janeiro.

Assistir ao vídeo 01:42

Norte-americanos celebram vitória de Biden

Leia mais