Eleições em Moçambique: ″A vitória da RENAMO vem do sacrifício″ | Moçambique | DW | 29.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Eleições em Moçambique: "A vitória da RENAMO vem do sacrifício"

Ossufo Momade garante que a RENAMO vai vencer as eleições de outubro, em Moçambique. Reunidos em Nampula, membros do conselho nacional do partido definem estratégias eleitorais e denunciam irregularidades.

A Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), principal partido da oposição, garante que vai vencer as eleições de outubro próximo. A garantia foi dada esta segunda-feira (29.04) pelo líder do partido, Ossufo Momade, na segunda sessão ordinária do Conselho Nacional do partido, em Nampula – uma reunião onde também foi eleito André Majibiri para o cargo de secretário-geral da RENAMO em substituição de Manuel Bissopo, que cessou funções em janeiro.

Mobilizar eleitores para o processo de recenseamento eleitoral é uma das principais estratégias definidas pela RENAMO para vencer as próximas eleições de 15 de outubro. Para tal, Ossufo Momade exorta os seus membros - da base ao topo - a trabalharem nas comunidades e mobilizarem os cidadãos.

O líder da RENAMO fez estes pronunciamentos a partir da serra da Gorongosa, onde está aquartelado, na abertura da segunda sessão ordinária do Conselho Nacional, na cidade de Nampula.

"Estamos certos que a vitória vem do sacrifício. Por isso, apelamos a todos os quadros, membros e militantes do partido, a dar o seu máximo na mobilização de para que os potenciais eleitores adiram massivamente aos postos de recenseamento eleitoral de modo a concretizar o grande imperativo nacional; a vitória esmagadora, retumbante e asfixiante da RENAMO", exortou.

Mosambik Mitglieder Renamo Partei in Nampula

Membros da RENAMO

Irregularidades

Ossufo Momade denuncia ainda irregularidades em postos de recenseamento de várias províncias. Sem avançar detalhes, o líder da RENAMO disse que o Secretariado Técnico da Administração Eleitoral (STAE) tem apadrinhado essas situações, e teme que a RENAMO saia prejudicada com isso.

Por isso, Momade pede a demissão do diretor-geral do STAE, Felisberto Naife, e apela "a Comissão Nacional de Eleições para desmantelar essas práticas que são uma violação à legislação eleitoral de modo que o processo eleitoral seja o mais transparente e abrangente".

Por outro lado, apesar de a RENAMO ter conseguido enquadrar 14 oficiais nas Forças Armadas de Moçambique e já ter encaminhado ao Governo a lista de 10 oficiais para ocuparem posições de chefia na polícia moçambicana, Ossufo Momade reitera que o seu partido fará de tudo para que os outros oficiais generais sejam integrados no Serviço de Informações e Segurança do Estado (SISE), na Força aérea, Marinha de Guerra e nas instituições de ensino das Forças de Defesa e Segurança.

Ouvir o áudio 03:18

Eleições em Moçambique: "A vitória da RENAMO vem do sacrifício"

"Esperamos que o Governo torne este processo de enquadramento mais célere e flexível, sobretudo que seja feito de boa fé, de modo a construirmos uma paz efetiva e uma verdadeira reconciliação nacional", afirmou o líder da RENAMO.

Dhlakama, "herói nacional"

A poucos dias do aniversário de um ano da morte do antigo líder da RENAMO, Afonso Dhlakama, a 3 de maio, Momade quer que o líder histórico da RENAMO Afonso Dhlakama seja considerado herói nacional, por ter contribuído para a democracia multipartidária em Moçambique.

Segundo Ossufo Momade, "orientamos ao Conselho Jurisdicional do partido. Com a devida urgência, para conceber e submeter à instância de direito o projeto de lei que eleva a figura do saudoso presidente Afonso Dhlakama à categoria de herói nacional, marcando para sempre a forma indelével a sua vida e obra".

A reunião em Nampula, que decorre sob o lema "RENAMO unida, rumo à vitória", acontece numa altura em que há uma aparente divisão no seio de alguns membros, sobretudo os da província central de Sofala. Arnaldo Chalaua, porta-voz do segundo Conselho Nacional do partido, assegura, no entanto, que o partido está unido.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados