1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
João Lourenço e Adalberto Costa JúniorFoto: AFP/Getty Images

Eleições em Angola: Troca de acusações sobe de tom

11 de agosto de 2022

Intensifica-se a troca de "recados" entre os candidatos presidenciais do MPLA e da UNITA. Adalberto Costa Júnior acusa rival de "perseguição interna". João Lourenço diz que Galo Negro fez "um pacto com os corruptos".

https://p.dw.com/p/4FP0d

A campanha eleitoral caminha para a reta final em Angola, com o dia das eleições, 24 de agosto, cada vez mais próximo. O Movimento Popular de Libertação de Angola (UNITA), que lidera a oposição, disputam o eleitorado com atos políticos de massas em todo o país.

Esta quarta-feira (10.08), João Lourenço, cabeça de lista do MPLA, falou aos eleitores de Malanje. Adalberto Costa Júnior, candidato da UNITA, trabalha por estes dias na província da Lunda Norte. É nestes atos políticos de massa que os dois líderes estão a trocar acusações.

Num comício realizado em julho, na Lunda Sul, Lourenço apelidou seu principal adversário de ilusionista e afirmou que o MPLA vai comemorar a manutenção do poder comendo "cabidela", prato típico angolano feito com galinha, em alusão ao partido do Galo Negro, como é também conhecida a UNITA.

"Vamos continuar a trabalhar para vitória e vamos conquistar esta mesma vitória. E depois de um trabalho árduo merecemos comemorar. E vamos comemorar como? Vamos comer uma cabidela. Vamos comer uma boa cabidela, não importa se as penas do galo são pretas ou se são brancas. Ninguém come as penas. As penas vão para o lixo. Pretas, brancas e castanhas vão para o lixo. O que se come é o galo", disse o candidato do MPLA.

Stadt Saurimo, Provinz Lunda Sul, Angola
Bandeiras do MPLA em Saurimo, na Lunda SulFoto: Manuel Luamba/DW

Adalberto Costa Júnior responde ao recado com mais um convite para o debate eleitoral. Foi na província do Huambo que o líder da UNITA pediu ao seu adversário que acabe com os "discursos de arrogância".

"É por isso que estou a repetir que estou pronto. Não fuja. Não tenha medo. Venha ao debate", apelou. "Ouvimos tantos discursos de arrogância. Mas o que se passa? Estão sem ideias? Não têm projetos? Não sabem defender as suas ideias? Vamos ao debate, não fuja".

Corrupção: Um campo de batalha

Adalberto Costa Júnior acusa João Lourenço de ter perseguido politicamente o ex-presidente José Eduardo dos Santos, que morreu há um mês, e promete que o Presidente angolano em fim de mandato não será perseguido quando se efetivar a alternância do poder no dia 24 de agosto.

"Vimos perseguição dos seus adversários internos do próprio partido. Vimos que o combate à corrupção foi só para uns e para os outros foi proteção. Vimos membros do Governo muito ricos, sem capacidade de justificar os seus bens. Nunca houve processo contra eles", acusa.

O líder da UNITA lembra ainda que foi o seu partido "que tomou a iniciativa de levar ao Parlamento a lei de Repatriamento de capitais, uma lei de equilíbrio que o MPLA reprovou" e promete voltar a propor a mesma legislação se vencer as eleições.

Angola | Beginn der Wahlkampagne der UNITA in der Provinz Benguela
Bandeiras da UNITA em Benguela, no início da campanha eleitoralFoto: Daniel Vasconcelos/DW

Em resposta, nesta quarta-feira, na cidade de Malanje, João Lourenço acusou a liderança da UNITA de aliar-se aos "corruptos que tiraram o dinheiro de Angola".

"O irónico é que esses que defendem esse ponto de vista, fizeram um pacto com os corruptos. Estão a comer no prato dos corruptos. Estão a ser financiados pelos dinheiros saídos de Angola pela porta da corrupção", afirmou.

"Angola está à frente"

"Os principais candidatos estão a jogar o tudo ou nada", considera o analista político Agostinho Sikato. "Tanto Adalberto Costa Júnior pela UNITA, quanto João Lourenço pelo MPLA, ambos são potenciais inquilinos do palácio da Cidade Alta. Portanto, para Lourenço o poder está na iminência de cair, e Adalberto entende que está há um passo do palácio. Nestas circunstâncias, os partidos políticos utilizam todas as táticas úteis".

No entanto, Sikato alerta que os excessos podem ser meios para a instabilidade. Por isso, apela à ponderação dos discursos musculados. "Os líderes têm de aprender que independentemente das diferenças está Angola à frente. Angola está em primeiro lugar e o povo é o centro de todos eles. Deve haver uma proteção direta dos cidadãos. Não se pode utilizar os cidadãos para determinados interesses", avisa.

"Normalmente quando há essas contendas das lideranças, a situação às vezes pode sair fora do controlo necessário definido, isso é que depois cria instabilidade", conclui.

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado