Eleições em Angola: ″Guerra de fake news″ nas redes sociais? | NOTÍCIAS | DW | 15.08.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Eleições em Angola: "Guerra de fake news" nas redes sociais?

Na reta final da campanha eleitoral, especialistas alertam para notícias falsas nas redes sociais, sobretudo entre militantes da UNITA e do MPLA, os dois principais partidos concorrentes às eleições gerais 24 de agosto.

"É um fenómeno mundial. Em épocas eleitorais, em todos os países do mundo, ninguém foge disso, temos a presença das 'fake news'", diz Osvaldo Mboco, autor do livro "As Eleições em Angola – De 1992 até Aos Nossos Dias", em entrevista à DW África.

No caso concreto de Angola, das oito formações políticas concorrentes ao pleito de 24 de agosto deste ano, o MPLA, o partido no poder, e a UNITA, o maior partido da oposição, lideram a lista das notícias falsas a circular nas redes sociais e na imprensa, considera Wilsony dos Santos, autor do livro "Comunicação – O Espelho de Um País". 

"São visíveis muitas notícias falsas sobre um ou outro candidato que está ligado a um partido político. Sobretudo, os principais, aqueles que fazem e compõem o arco do poder em Angola que é a UNITA e o MPLA", afirma.

JLO e ACJ no centro das "fake news"

O também consultor de media e professor universitário aponta um exemplo, supostamente praticado pelos seguidores da UNITA contra o líder dos "camaradas", João Lourenço.

"Há uma notícia que andou a rolar, por exemplo, de que o Presidente João Lourenço não iria aceitar ou participar de um debate com o principal candidato da oposição, Adalberto Costa Júnior, de que os debates não levam comida à mesa. Foi uma invenção porque, no fim do dia, compilado aquilo que foi o discurso do Presidente João Lourenço, em nenhum momento ele teria feito essa afirmação", explica Wilsony dos Santos.

O autor aponta outro exemplo de notícia falsa, alegadamente protagonizado pelos militantes do MPLA contra o candidato da UNITA a vice-Presidente da República, Abel Chivukuvuku: "O candidato a vice-Presidente da República pela chapa da UNITA esses dias viu fazer uma conversa que não é verdadeira, até porque ele desmentiu logo a seguir, mas que foi manipulada e veiculada em quase todas as redes sociais como que tivesse tido uma abordagem diferente daquilo que é a do candidato Adalberto Costa Júnior".

Contornar as notícias falsas

Estando a campanha eleitoral na semana crucial, advinha-se que a guerra das notícias falsas, sobretudo na imprensa, vai ganhar força. 

Por isso, Osvaldo Mboco aconselha aos eleitores das 18 províncias de Angola a conferir os factos antes de consumir qualquer informação aparentemente falsa. 

"É importante saber lidar e saber contornar as várias informações que supostamente são falsas dentro das redes sociais", avisa.  

Eleições Angola 2022: "Vão gostar ou já está?"

 

 

Leia mais