″Cruzada contra corrupção″ em Angola esquecida por causa das eleições? | Angola | DW | 02.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

"Cruzada contra corrupção" em Angola esquecida por causa das eleições?

O aproximar das eleições gerais em Angola, previstas para agosto, terá atirado para o esquecimento a "luta contra a corrupção". A data do pleito deverá ser conhecida amanhã, após a reunião do Conselho da República.

Protesto contra a corrupção em Luanda

Protesto contra a corrupção em Luanda

Onde está a tão propalada "cruzada contra corrupção" em Angola? No esquecimento, diz analista.

Em entrevista à DW África, o ativista Luís Paulo diz que "há meses que não se fala na luta contra a corrupção que estava a ser levado a cabo, a nível da gestão da coisa pública. E não será agora, em época de eleições, que se vai falar."

Os partidos aquecem as suas máquinas para o escrutínio, e na imprensa multiplicam-se as notícias sobre o processo eleitoral. Seja com acusações do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) à oposição, alegadamente por querer desestabilizar o escrutínio, seja com acusações da oposição ao MPLA, supostamente por estar a preparar fraude eleitoral.

Luta contra a corrupção em segundo plano

A expetativa é grande em relação às eleições gerais de agosto – a oposição pede alternância após décadas com o MPLA no poder – e é por isso que, segundo o jurista Agostinho Canando, se tem falado mais do escrutínio do que do combate à corrupção em Angola.

"A prioridade agora são as eleições, em fase de pré-campanha", comenta Agostinho Canando.

Precárias condições de vida em Angola

Apesar da luta contra a corrupção anunciada pelo Governo, a pobreza ainda castiga a vida dos angolanos

O Governo diz, no entanto, que os resultados do combate à corrupção estão à vista de todos, e assegura que acabou a "sensação de impunidade no país".

O Procurador-Geral da República, Hélder Pitta Grós, informou recentemente que, nos últimos três anos, foram recuperados mais de 5 mil milhões de dólares em ativos financeiros e não financeiros.

Foram arrestados bens móveis e houve o julgamento e condenação de antigos titulares de cargos públicos como, por exemplo, Augusto Tomás, ex-ministro dos Transportes, acusado de peculato, abuso de poder e branqueamento de capitais. É o único na cadeia.

Combate seletivo?

O combate à corrupção é o cavalo de batalha do Presidente angolano, João Lourenço, desde que chegou ao poder, em setembro de 2017. Mas os críticos continuam a queixar-se de que o combate tem sido seletivo.

É por isso que o jurista Agostinho Canando diz que o balanço que faz dos últimos anos é modesto. "Há algumas coisas de negativo", refere.

Mas o combate à corrupção não se faz de um dia para o outro, reconhece o ativista Fernando Sakuayela – nem talvez em cinco anos. Agora que as eleições se aproximam, Sakuayela diz que é preciso "parar tudo" no que diz respeito ao combate à corrupção.

"Embora a luta contra a corrupção seja um processo continuado e por continuar, no presente momento será mais racional haver um freio à exposição de altas figuras do regime", afirma Sakuayela, que defende a retoma do combate à corrupção só depois das eleições.

A DW África contactou a PGR e os tribunais angolanos, para saber se havia processos novos de corrupção, mas não obteve uma reação.

Angola: Só a subida no preço do petróleo não basta

Leia mais