Covid-19: Técnicos guineenses em greve para exigir pagamento de subsídios | Guiné-Bissau | DW | 05.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Covid-19: Técnicos guineenses em greve para exigir pagamento de subsídios

Grupo de técnicos que combatem a Covid-19 paralisam a partir de hoje serviços de rastreio e assistência aos doentes por falta de pagamento de subsídios. Garantem apenas os serviços mínimos em dois hospitais de Bissau.

"Tentamos, desde 15 de janeiro, um encontro de trabalho com a alta-comissária para a Covid-19 [a ex-ministra da Saúde guineense Magda Robalo] e que não surtiu efeito. Na última sexta-feira demos entrada com uma nota de paralisação", anunciou, em conferência de imprensa, Undiga Mendes, coordenador do coletivo constituído por diferentes profissionais dos serviços da Saúde Pública guineense.  

A paralisação só será levantada com o pagamento total de sete meses de "subsídio de risco" aos técnicos que combatem a doença no interior da Guiné-Bissau, e seis meses aos profissionais da capital, Bissau.  

Os trabalhadores apenas pretendem garantir os serviços mínimos no centro de tratamento e internamento de doentes com Covid-19 no Hospital Nacional Simão Mendes e no Hospital de Cumura, que pertence à igreja católica, ambos em Bissau.

Aumento de casos

A greve dos profissionais de saúde ocorre numa altura em que aumentam os casos de infeção pelo novo coronavírus na Guiné-Bissau.

De acordo com o mais recente boletim diário do Alto-Comissariado para o combate à doença, foram registados na quarta-feira (03.02) mais 31 novos casos positivos, o que perfaz 222 casos ativos no país.

Desde que a doença foi declarada no passado mês de março, a Guiné-Bissau já acumulou 2.692 casos de Covid-19.

Assistir ao vídeo 04:53

Covid-19: Guineenses em Hamburgo doam 40 mil máscaras à Guiné-Bissau

Leia mais