Covid-19: Primeiras vacinas chegam à Guiné-Bissau | Guiné-Bissau | DW | 22.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Covid-19: Primeiras vacinas chegam à Guiné-Bissau

As primeiras 12.000 doses de vacina contra a Covid-19 chegaram esta segunda feira, (22.03), à Guiné-Bissau no âmbito de uma parceria entre uma empresa de telecomunicações da África do Sul e da União Africana.

"É de facto hoje um dia importante para a Guiné-Bissau no combate à pandemia da Covid-19 porque recebemos as primeiras 12.000 doses de vacina. Trata-se vacina Astrazeneca, que vai contribuir para executar o nosso plano de vacinação anti-Covid", afirmou a Alta Comissária para a Covid-19, Magda Robalo.

A Guiné-Bissau aprovou o uso de três vacinas, homologadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), contra a infeção provocada pelo novo coronavírus, nomeadamente a Pfizer/BioNTech, Astrazeneca/Oxford e AstraZeneca do Serum Institute da Índia.

Magda Robalo

"Temos de continuar a evitar a multiplicação do vírus", Magda Robalo

"Também é importante recordar que estas doses chegaram à Guiné-Bissau, porque tinham sido atribuídas à África do Sul, que depois descobriu uma variante que não permite utilizar esta vacina", afirmou Magda Robalo

E a Alta Comissária para a Covid-19 na Guiné-Bissau defende: "Temos de continuar a evitar a multiplicação do vírus, temos de trabalhar para atrasar e travar a transmissão, porque senão nós vamos ter variantes que não nos vão permitir utilizar as vacinas que estão a ser descobertas".

Funcionários do setor da saúde são prioridade

Robalo falava aos jornalistas no aeroporto Osvaldo Vieira, em Bissau, após a receção das 12.000 doses de vacina, acompanhada do vice-primeiro-ministro, Soares Sambu, da ministra dos Negócios Estrangeiros, Suzy Barbosa, do ministro da Saúde, António Deudna, do embaixador da União Africana no país, Ovídeo Pequeno, e do representante da empresa de telecomunicações sul-africana.

"Nos outros países a vacinação já começou há muito tempo. O país está de parabéns por ter recebido as vacinas", disse o ministro da Saúde guineense, garantindo que as primeiras doses das vacinas serão para a classe que "tanto precisa", ou seja, os funcionários do setor da saúde.

Em relação ao Plano Nacional de Vacinação, o Alto Comissariado explicou recentemente que numa primeira fase prevê atingir "20% da população guineense", dando prioridade aos profissionais de saúde, pessoal de apoio da saúde, agentes de saúde comunitária, doentes com HIV/Sida, tuberculose, diabetes, doenças cardiovasculares, respiratória e doentes renais crónicos.

Ghana | AstraZeneca | COVAX-Impfstoff

Segundo a iniciativa COVAX, a Guiné-Bissau vai receber 120.000 doses de vacinas da AstraZeneca, até final de maio

Imunizar 70% da população

O Plano, a ser executado em três fases, visa atingir 70% da população guineense, por forma a criar uma imunidade de grupo que possa favorecer uma redução significativa da transmissão.

O COVAX - mecanismo de distribuição universal e equitativa de vacinas contra a Covid-19 cogerido pela OMS - já anunciou que a Guiné-Bissau vai receber 120.000 doses de vacinas da fabricante AstraZeneca, até final de maio. 

O Banco Mundial prevê apoiar a Guiné-Bissau para a cobertura de cerca de 15% da população, sendo que o COVAX promete fornecer vacinas para cerca de 20% da população. 

A Guiné-Bissau regista mais de 3.500 casos de infeção pelo novo coronavírus, que já provocou a morte a 55 pessoas.

Na sequência do aumento de casos que se tem registado desde o início do ano, o Governo guineense decidiu prolongar o estado de calamidade por mais 30 dias, até 25 de março. 

Assistir ao vídeo 02:10

A estratégia de África contra a pandemia

Leia mais