Como as eleições fazem da Costa do Marfim uma ″bomba de tensão étnica″ | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 28.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Como as eleições fazem da Costa do Marfim uma "bomba de tensão étnica"

As controvérsias sobre as eleições presidenciais deste sábado reascenderam a tensão étnica na Costa do Marfim. Entre apoiadores de Governo e oposição, a campanha deu lugar á violência entre as etnias do norte e do sul.

Representantes da oposição costa-marfinense na Europa manifestaram, esta terça-feira (27.10), em Bruxelas, o seu apoio ao boicote às eleições presidenciais de sábado - solicitado pelos partidos da oposição. No poder desde 2010, o Presidente Alassane Ouatarra concorre a um terceiro mandato, considerado "inconstitucional" pela oposição.

A questão é que o impasse e a controvérsia em torno do terceiro mandato de Ouatarra têm transformado a Costa do Marim num caldeirão étnico pronto para explodir. 

O padrão tem sido o mesmo desde agosto: uma simples manifestação política se transforma repentinamente num choque entre o grupo étnico local e os Dioulas - reputados como pró-Alassane Ouattara.

Isto aconteceu pelo menos quatro vezes recentemente nestas localidades do sudeste, resultado em cerca de 30 mortos de diferentes grupos étnicos.

A 100 quilómetros a norte de Abidjan, na cidade Bongouanou, jovens Agnis são vistos armados com catanas. Os integrantes do grupo étnico originário do sul atravessam a cidade em busca de Dioulas, um grupo étnico do norte. Por sua vez, no bairro em que prevalecem, os jovens Dioulas também estão prontos para lutar.

"Em todo o lado, estão Dioulas contra grupos étnicos locais. Não é uma coincidência. Não queremos um terceiro mandato. A Costa do Marfim não foi feita para um único grupo étnico, os Dioulas estão no poder há dez anos, isso é suficiente", disse Lambert, um chefe da barragem de Agni em Bongouanou.

Elfenbeinküste Abidjan | Demonstrationen | Gegen Präsident Ouattara

Protesto é reprimido pela polícia na capital a poucos dias do pleito

"Eles matam, nós matamos"

O ressentimento acumula-se entre grupos que subitamente podem transformar-se em gangues políticas rivais. "Eles matam dois, nós matamos um", diz Cissé Sekou, conhecido como o "Comandante" - um dos líderes da juventude Dioula em Bongouanou.

"Fomos nós que desenvolvemos a cidade. Isto era uma aldeia. Eles podem ir embora, nós apoiamos Ouattara para o terceiro mandato. Até à morte!"

Os confrontos entre grupos étnicos suscitam receios de que o país mergulhe novamente na violência dez anos após a crise pós-eleitoral de 2010-2011. À época a recusa do Presidente Laurent Gbagbo em admitir a sua derrota eleitoral para Alassane Ouattara resultou em convulsão social, que dividiu o país entre norte e sul e deixou 3 mil mortos.

Desde a independência, o país tinha sido governado por políticos do sul. As comunidades do norte reclamavam muitas vezes que eram esquecidas no que se refere a investimentos e nomeações para cargos públicos. Hoje, alguns denunciam uma espécie de "vingança do norte", acusando Ouattara de favorecer a região.

"Há uma transição muito rápida da violência política para a violência comunitária", diz Rinaldo Depagne, da organização de prevenção de conflitos International Crisis Group (ICG).

Para Depagne, a reconciliação falhou. Foi colocada uma tampa sobre a crise de 2010, mas os problemas subjacentes ainda não foram resolvidos.

Elfenbeinküste Wahlkampf

Eleições têm iniciativa de boicote da oposição

Velhas práticas

O ex-ministro Marcel Amon Tanoh - que está na oposição e teve a candidatura invalidada teme a ressurreição de "velhos demónios". Ele sublinha que na Costa do Marfim "como muitas vezes noutros lugares em África", os partidos políticos têm uma base étnica e que mesmo que alarguem a sua base, o domínio étnico permanece.

Durante as eleições presidenciais de 1995, o Presidente Henri Konan Bédié, conhecido como HKB, utilizou o conceito xenófobo "ivoirité" para evitar que Ouattara, acusado de ser Burkinabe, concorresse contra ele no pleito. Sonhando com um regresso ao poder, HKB volta a ser candidato e recolhe aos velhos métodos:

"O marfinense é um estrangeiro em seu próprio país. Quando chegar ao momento, atuaremos para evitar este assalto à Costa do Marfim", disse HKB em junho de 2019.

No terreno, milícias chamadas de "micróbios" surgiram nos últimos meses e causam o terror em áreas já instáveis. Embora seus líderes e motivações sejam desconhecidos, a oposição acusa-os de estarem a ser pagos pelo Governo. Nas redes sociais, os extremistas de ambos os lados apelam abertamente ao assassinato.

Leia mais