CNE desvaloriza ″fraudes″ após sufrágio tranquilo na Guiné-Bissau | Guiné-Bissau | DW | 18.03.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

CNE desvaloriza "fraudes" após sufrágio tranquilo na Guiné-Bissau

Independente, Henrique Rosa disse ter informações sobre "fraudes" no país, informação desvalorizada por Comissão Nacional de Eleições num dia calmo. Kumba Ialá pode ter perdido influência. PAIGC poderá viver 2ª volta.

Eleições presidenciais na Guiné-Bissau, 18 de março

Eleições presidenciais na Guiné-Bissau, 18 de março

Às 7 horas da manhã, na Avenida Amílcar Cabral, em frente à Assembleia Nacional guineense, nas mesas de voto, ao ar livre, já se faz fila para fazer a cruzinha no boletim de voto.

Os eleitores fazem a sua escolha por detrás de uma cabine de voto de cartão e depois colocam o voto dobrado numa urna de plástico transparente. Em seguida, o dedo indicador é mergulhado em tinta indelével. Este é o procedimento que foi repetido, ao longo deste domingo (18.03), pelos cerca de 600 mil eleitores guineenses.

Guinea Bissau Wahlen 2012 Ministerpräsident Carlos Gomes Junior Cadogo

Logo após a votação, Carlos Gomes Júnior disse estar confiante na vitória, assim como o fizeram outros candidatos

Às 11:25, foi a vez do eleitor número 413, o candidato Carlos Gomes Júnior, atual primeiro-ministro guineense. Acompanhado pela mulher e no meio de uma enorme confusão de jornalistas e populares, Carlos Gomes Júnior, o candidato oficial do PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde), de que é presidente, disse estar “plenamente confiante” numa vitória à primeira volta.

O rival mais sério de Carlos Gomes Júnior, ou Cadogo, como é conhecido na Guiné-Bissau, poderá surgir no interior do seu próprio partido. Serifo Nhamadjo, presidente interino da Assembleia Nacional, e Baciro Djá, ministro da Defesa, ambos membros do PAIGC, concorrem como independentes nesta eleição e poderão roubar votos à candidatura oficial.

Wahlen Guinea Bissau 2012

Cerca de 600 mil eleitores foram chamados a escolher o próximo presidente da Guiné-Bissau

Após ter votado Serifo Nhamadjo afirmou estar também confiante na sua vitória: “como cidadão livre que exerceu o seu direito de voto e como candidato que será eleito presidente da República da Guiné-Bissau – é assim que me sinto hoje”, confessou o candidato.

O ex-presidente Kumba Ialá, conhecido pelo seu barrete vermelho, que conta habitualmente com apoio da etnia balanta, poderá também ser um dos nomes a disputar uma eventual segunda volta. Embora alguns analistas acreditem que a influência de Kumba, que em 2009 disputou a segunda volta com o falecido presidente Malam Bacai Sanhá, entrou em declínio.

Henrique Rosa está em melhor posição para explicar “fraudes”, diz CNE

Guinea Bissau Wahlen 2012 Anhänger Henrique Rosa

Apoiantes do candidato independente Henrique Rosa, dias antes do escrutínio

Outro dos nomes fortes na corrida à presidência é o candidato independente e ex-presidente interino Henrique Rosa. Após ter votado, Rosa disse ter informações de que haveria “fraudes por todo o país”. Acusações que o porta-voz da Comissão Nacional de Eleições (CNE) da Guiné-Bissau, Orlando Viegas, desvalorizou.

Até este momento, a CNE não teve conhecimento de elementos que indiciam a fraude: “O candidato Henrique Rosa (…) poderá responder sobre essa questão. Até este momento, não temos nada que nos indicie fraude. Ele é livre, é candidato, pode pronunciar-se. Se calhar ele estará em melhores condições de poder responder a esta questão”.

Autora: Helena Ferro de Gouveia
Edição: Glória Sousa / Renate Krieger

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados