Banco Mundial defende criação de equipa de reformas em Angola | Angola | DW | 06.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Banco Mundial defende criação de equipa de reformas em Angola

Equipa seria responsável por supervisionar a implementação da reestruturação económica no país. Banco Mundial cobra comprometimento do Presidente angolano para garantir a eficácia das reformas.

Sede do Banco Mundial em Washington

Sede do Banco Mundial em Washington

O Banco Mundial quer que Angola crie uma "equipa de reformas" para supervisionar a reestruturação económica que o país está a implementar. A entidade defende que a eficácia das reformas depende do exemplo do chefe de Estado angolano, João Lourenço. 

"Há necessidade de uma pequena e dedicada equipa de reformas altamente qualificada que reporte ao mais alto nível do Governo e encarregue de priorizar, monitorizar e resolver problemas do processo de reforma sem ser responsável pela execução das reformas, pois isso deve permanecer como uma prerrogativa dos ministérios e agências designados", lê-se no relatório do Banco Mundial sobre o setor privado em Angola.

O relatório intitulado "Criação de Mercados em Angola - Oportunidades de Desenvolvimento através do Setor Privado" faz um extenso diagnóstico sobre as principais dificuldades relativamente ao desenvolvimento do setor privado e aponta várias recomendações para o Governo promover a diversificação económica, nomeadamente através do setor privado.

Além de uma pequena equipa a funcionar na dependência direta do chefe de Estado, o Banco Mundial defende que ao Presidente da República cabe o papel de líder e de garante do contínuo esforço do Executivo nas reformas. 

"É essencial que os quadros superiores do Governo, começando pelo chefe de Estado, estejam continuamente e muito ativamente envolvidos no processo de reforma, o que implicará assumir compromissos específicos e públicos na agenda de reformas, expressos em termos simples que tornem claros os benefícios da reforma", lê-se no documento.

Planeamento detalhado

O relatório ainda salienta que "tais compromissos públicos exercem pressão sobre o presidente e o Governo para que deem o devido seguimento e enviem um forte sinal para todo o Executivo de que a iniciativa de reformas é real".

Por outro lado, os técnicos do Banco Mundial, que recentemente aprovou um empréstimo de mil milhões de dólares (889 milhões de euros) a Angola, defendem que as reformas têm de ter um plano abrangente, calendarizado e detalhado.

"Especialmente em tempos de crise e mudança no paradigma de desenvolvimento económico, há uma necessidade crucial de um plano de reforma geral, priorizado e sequenciado, baseado num entendimento comum das oportunidades e dos problemas", lê-se no relatório.

Segundo o documento, "o esforço de priorização deve ser tanto sobre decidir o que não fazer como sobre o que fazer. Muitas das atividades planeadas podem ser contraproducentes, por exemplo, políticas industriais mal informadas jogando a favor de interesses pessoais ou de importância secundária".

Além de preconizar "uma alocação clara e simples de responsabilidades para realizar reformas prioritárias e, crucialmente, para implementá-las", o Banco Mundial quer também que Angola tenha um conhecimento técnico de classe mundial para planeamento e implementação" das reformas, já que esta política "precisará, tanto quanto possível, da especialização técnica de classe mundial, começando com a equipa de reformas dedicada".

Defendendo que é preciso envolver a população no esforço das reformas e comunicar os resultados de forma clara e transparente, o Banco Mundial conclui que é também necessário fazer uma avaliação contínua deste processo. "Com o passar do tempo, o sucesso do programa de reformas dependerá, em grande medida, da monitorização regular com ciclos de comentários rígidos, em conjunto com a tomada de decisões oportuna e contundente sobre medidas corretivas pelo nível superior do Governo", afirma-se no relatório.

Leia mais