1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Combate à Sida em Angola
Foto: DW

Angola: Vitória ainda longe no combate ao VIH/Sida

António Ambrósio
1 de dezembro de 2022

Perto de 400 mil angolanos vivem com VIH/Sida. Quarenta anos depois do início do combate à Sida em Angola, a doença continua a ser um problema de saúde pública. Só cerca de 112 mil pessoas fazem terapia antirretroviral.

https://p.dw.com/p/4KIj1

De acordo com as últimas estatísticas do Programa das Nações Unidas de Combate ao VIH/SIDA (ONUSIDA), em todo o mundo há mais de 38 milhões de pessoas com o vírus da imunodeficiência humana que causa a SIDA. Em Angola, são 400 mil os infetados.

Fatores como extrema pobreza, grande mobilidade da população, início precoce da atividade sexual e ritos culturais contribuem para os elevados números em Angola, diz António Coelho.

O presidente da ANASO, a Rede Angolana das Organizações de Serviços de Sida e Grandes Endemias, defende que é preciso trabalhar contra o estigma e discriminação para acabar com a doença até 2030.

Combater o estigma

"Temos de reforçar as fontes de solidariedade, para que a esperança e autoestima se sobreponham aos traumas e estigmas que ainda prevalecem na nossa sociedade. Precisamos de mais financiamento para a saúde, melhorar os acessos aos cuidados primários da saúde e respeitar os direitos humanos", disse Coelho à DW África.

António Coelho, ANASO
António Coelho, presidente da ANASOFoto: DW

Em Angola, apenas cerca de 112 mil pessoas fazem terapia antirretroviral. António Coelho aponta vários desafios para os próximos anos, entre os quais a sustentabilidade da resposta nacional, a melhoria na qualidade de assistência de pessoas vivendo com VIH, a reeducação de estigma e descriminação, a redução de transmissão de mãe para filhos, e a mobilização de mais fundos adicionais para o combate à epidemia.

Coelho explica que o país está "também com dificuldade de gestão dos anti-retrovirais, preservativos e testes".

Números preocupantes

Segundo dados do departamento de saúde pública na província do Cuando Cubango, nos últimos dois anos a província contabilizou perto de 3500 novos casos.

Especialmente preocupantes são os mais de 400 novos casos registados em crianças e mulheres grávidas, disse à DW África Maria de Fátima Mbanco Matias, supervisora provincial do VIH/SIDA. 

Hospital de Angola
O setor da saúde em Angola luta com dificuldades para garantir tratamentos da SidaFoto: Borralho Ndomba/DW

"Temos passado nas unidades (militares e policiais), escolas, igrejas para palestras sobre a prevenção de tratamento do VIH, e também a transmissão de mãe para filho. Estamos a incentivar as pessoas o uso da camisinha", disse Mbanco Matias, numa alusão aos contraceptivos que previnem a transmissão do vírus.

Apesar do estigma relacionado com a doença, um número significativo de pacientes acorre aos hospitais, dizem as autoridades, ressalvando, no entanto , que ainda há muito por fazer.

"Não fujam dos hospitais"

Fátima Matias deixa um apelo: "Que venham aos hospitais. Existe ética profissional e quando se faz tratamento cedo há maior probabilidade de vida."

Domingas Ndala residente em Menongue, tem 31 anos e é mãe de três filhos. Vive com a doença há seis anos. A discriminação inicial que sentiu quando soube da doença leva-a a não querer identificar-se, pelo que o nome é fictício.

Mas Domingas Ndala diz que, graças aos tratamentos, leva uma vida normal. "Não fujam dos hospitais”, diz. "Quando te diagnosticarem a doença, começa sem hesitar a tomar medicamentos, vais-te tornar saudável".

Ndala diz que que o seu marido sempre testou negativo, porque ela "cumpre o tratamento todo".

Saúde em África: HIV/SIDA já não é sentença de morte

 

 

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado