Angola quer apoio da União Europeia para diversificar economia | Angola | DW | 11.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola quer apoio da União Europeia para diversificar economia

Governo angolano pediu, em Luanda, o apoio da UE, enquanto "importante parceiro" de Angola, para ajudar a superar os constrangimentos que ainda encontra no seu desafio de diversificar a economia.

A posição foi expressa esta segunda-feira (11.03.) pelo ministro das Relações Exteriores angolano, Manuel Augusto, quando discursava na cerimónia de abertura da IV reunião Angola-União Europeia, no âmbito do programa Caminho Conjunto, que contou com a presença da vice-primeira ministra da Roménia, Ana Birchall.

Segundo o chefe da diplomacia angolana, o Governo vai continuar a defender uma política externa propícia a uma cooperação cada vez mais ativa e diversificada com a União Europeia.

"A União Europeia representa hoje uma força política económica cada vez mais ativa nas nossas relações. Contamos por isso com a União Europeia como um importante parceiro que nos pode ajudar a superar os constrangimentos que ainda encontramos para colocar a economia angolana ao serviço do desenvolvimento, do progresso e do bem-estar das populações", disse.

Manuel Augusto frisou ainda o desejo de que as partes reforcem o mecanismo de Caminho Conjunto, "um modelo de cooperação que, a curto, médio e longo prazos, possa contribuir para reverter o atual quadro de meros exportadores de matérias-primas, para fabricantes de produtos manufaturados industrializados, como garantia de uma maior oferta de emprego e de oportunidade de negócios".

Manuel Augusto (DW/J. Carlos)

Manuel Augusto

Dinamismo na relação entre Angola e UE 

O chefe da diplomacia angolana destacou também o caráter cada vez mais dinâmico e abrangente da relação entre Angola e a União Europeia, incluindo em questões de paz e segurança, crescimento sustentável e criação de emprego.

"Dá-nos a certeza que a mesma (relação) seja uma componente importante da política externa angolana, através do reforço da cooperação, da unidade de ação, na procura de formas mais eficazes para a realização desta agenda bilateral", frisou.

"Neste particular, Angola tem intensificado o diálogo político-diplomático através da troca de informações no tocante à resolução de conflitos em África, de uma forma geral, e na região dos Grandes Lagos, em particular, bem como troca de informações sobre a situação na região da SADC (Comunidade de Desenvolvimento dos Países da África Austral) dentro da aplicação dos princípios desta plataforma que é o Caminho Conjunto", ajuntou.

UE financia Angola ao abrigo do 11.º FED

Angola e a União Europeia assinaram, esta segunda-feira em Luanda, três acordos de financiamento no valor de 22 milhões de euros, para implementar programas nas áreas das finanças públicas, ensino superior e no âmbito do mecanismo de diálogo.

Os acordos, assinados à margem da IV reunião Angola-União Europeia, no âmbito do programa "Caminho Conjunto", que decorreu sob o lema "Avançar no Diálogo e na Cooperação", enquadram-se nas Convenções de Financiamento do 11.º Fundo Europeu de Desenvolvimento (FED).

Investimento setores àguas e saneamento

Um outro acordo para o empréstimo de 100 milhões de euros foi hoje assinado entre o Ministério das Finanças e o Banco Europeu de Investimento (BEI), para a realização de investimentos nos setores das águas e saneamento.

No primeiro ato, os documentos foram rubricados pelo ministro da Economia e Planeamento de Angola, Pedro Luís da Fonseca, e pela Diretora Interina da União Europeia para África Central e Austral, Francesca di Mauro.

O valor total dos financiamentos decorre de programas aprovados em 2018 e distribuem-se por quatro milhões de euros para o Mecanismo de Diálogo, com vista a executar as atividades de cooperação decididas no âmbito do Caminho Conjunto, 13 milhões de euros, para apoio ao ensino superior, e cinco milhões de euros para o programa de apoio à gestão das finanças públicas e governação económica.

13 milhões de euros para ensino superior

Em declarações à imprensa, o chefe da delegação da União Europeia em Angola, Tomás Ulicný, disse que foram destinados 13 milhões de euros para o setor do ensino superior, porque é importante para a organização europeia que os jovens angolanos tenham possibilidade de receber uma educação mais aprofundada para a criação de empregos no mercado de trabalho.

Segundo Tomas Ulicný, o período de implementação deste financiamento é de cerca de três anos, contudo, existe a possibilidade de aumento de alguns fundos no final do ciclo previsto.

Relativamente ao financiamento na gestão das finanças públicas, o delegado da União Europeia em Angola disse que se trata de um apoio ao Ministério das Finanças para o reforço do sistema bancário do país, para uma maior compatibilidade com as normas internacionais.

Política de Angola bem recebida pela UE

Por sua vez, o representante permanente de Angola junto da União Europeia, Georges Chikoti, disse que a política do Governo de Angola foi bem recebida por todas as instituições, não só pela organização europeia, mas também pelo Governo da Bélgica, onde é o representante diplomático do país africano.

Georges Chikoti referiu a promessa de um maior compromisso da parte da União Europeia, que reconhece que Angola mudou e "mudou para o bem" e que é importante apoiar-se esses esforços em termos políticos, económicos, sociais, "mas sobretudo passar a financiar projetos económicos".

George Chikoti (AP)

George Chikoti

O representante permanente de Angola na União Europeia salientou que o país tem feito esforços para promover o investimento estrangeiro privado, nomeadamente nas áreas do turismo e agricultura.

"Temos trabalhado também com o setor diamantífero, que está muito interessado em comprar os diamantes de Angola e estudar a possibilidade de financiar áreas como a delapidação de diamantes", disse.

"Acho que agora há muitas possibilidades a acontecer entre Angola e a União Europeia, precisamos é nos organizar aqui a nível nacional para fazer com que tudo aquilo que estiver aberto, esteja não só aberto, mas acessível, acho que isto está a acontecer cada vez mais rápido", referiu.

Investimentos do setor privado

Além disso, reforçou o dirigente angolano, há igualmente o setor privado que está cada vez mais interessado em investir em Angola.

Já o ministro da Energia e Águas de Angola, João Baptista Borges, disse que o empréstimo do BEI de 100 milhões de euros vai permitir financiar a fase II do Programa de Desenvolvimento Institucional do Setor de Águas, que prevê a continuidade das ações de desenvolvimento das infraestruturas de abastecimento de água em diferentes províncias, nomeadamente Ndalatando, capital da província do Cuanza Norte. 

O valor alocado ao setor, segundo o ministro, vai também financiar estudos e projetos no domínio do saneamento de águas residuais, que complementa o esforço que está a ser feito de abastecimento de água.

Leia mais