Angola: Quem tem medo da frente unida da oposição? | Angola | DW | 11.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Quem tem medo da frente unida da oposição?

Quando surgiu a nova aliança da oposição em Angola, o Presidente João Lourenço considerou legítima a iniciativa para derrotar o MPLA nas eleições. Mas o partido governamental começa a dar sinais de nervosismo.

No ano passado, o Presidente angolano João Lourenço disse que os partidos políticos tinham o direito de buscar os seus "amigos e vizinhos" para tirar o Movimento Popular da Libertação de Angola (MPLA) do poder.  

A primeira declaração pública tripartida, apresentada à imprensa no início de 2021 por Marcial Dachala, porta-voz da União para a Independência Total de Angola (UNITA), deixou claro que a iniciativa unia os líderes Adalberto Costa Júnior, presidente da UNITA, Justino Pinto de Andrade, então líder do Bloco Democrático, e Abel Epalanga Chivukuvuku, do PRA-JA Servir Angola com o objetivo comum de impedir uma nova vitória eleitoral do MPLA em 2022.

Mas a noção de uma frente para conjugar esforços no sentido de uma alternância no poder parece estar a começar a preocupar o MPLA.   

O MPLA desvaloriza a aliança

Na semana passada, um comunicado do partido governamental afirmava que a "propalada Frente não apresenta nenhuma proposta de Programa de governação alternativa à do MPLA" e que "não tem qualquer visão de futuro para o país".  

UNITA

A oposição angolana alia-se para mostrar o cartão vermelho ao MPLA em 2022

Afinal, há quem tenha medo dos "amigos e vizinhos" da oposição angolana?  

"A união destas três personalidades claramente que cria instabilidade, cria insegurança ao MPLA", responde o ativista Luís Paulo, coordenador do Projeto Diálogos na Comunidade.

O MPLA sempre disse que "são milhões e contra milhões ninguém combate". Mas, acrescenta Paulo, a situação em Angola mudou.

"Hoje combate-se os milhões, porque os milhões de que o MPLA falava não são os milhões de angolanos. Os milhões serviram para partidarizar o Estado e criar medo nas pessoas." 

João Lourenço, Angola Präsident

O Presidente João Lourenço considera a iniciativa da oposição "normal"

Perspetivas para a a frente pouco promissoras

A Frente Patriótica Unida poderá ser formalizada até setembro. Resta saber se a formalização aumentará as suas chances de sucesso. O constitucionalista angolano Manuel Pinheiroduvida: "Não há possibilidade alguma de emergir aqui uma coligação de que se espere grandes resultados".

Mais provável é a UNITA incorporar os seus aliados, o que poderia resultar numa lista única. "Ainda assim, seria sempre sob sombra da UNITA, com os símbolos da UNITA, sob liderança da UNITA, porque a UNITA é um partido com uma estrutura, com estatutos e com um regulamento", disse Pinheiro à DW África.

O jurista sugere, por isso, moderação nas expetativas: "Apesar do descontentamento desta ou daquela pessoa, isso não significa necessariamente um voto na oposição. Não se deve elevar muito a fasquia."

Leia mais