Angola: Quando serão libertados ″Zenu″ e Bastos de Morais? | Angola | DW | 28.11.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Quando serão libertados "Zenu" e Bastos de Morais?

José Filomeno dos Santos "Zenu" e o empresário Jean-Claude Bastos de Morais já cumpriram 45 dias de prisão preventiva desde a sua detenção. Jurista diz que ainda não se ultrapassou "o prazo extremo".

Os detidos em causa encontram-se nas celas desde setembro deste ano. José Filomeno dos Santos "Zenu" e Jean-Claude Bastos de Morais são acusados de quatro crimes: associação criminosa, tráfico de influência, burla e branqueamento de capitais.

No dia 24 deste mês, cumpriram-se 45 dias estabelecidos como prazo de prisão preventiva. Mas em declarações à DW África o jurista Albano Pedro diz que ainda não se ultrapassou o que chama de "prazo extremo".

"45 dias, ainda não é propriamente o esgotar do prazo extremo da prisão preventiva. O prazo extremo costuma ser estendido a 90 dias se o processo de investigação criminal não estiver concluído, se há falta de provas por concluir e, nalguns casos quando se verifica a manutenção de perigo de fuga e outros elementos que justificam a prisão preventiva".

Angola Jurist Albano Pedro (DW/N. Sul D'Angola)

Albano Pedro (esq.)

O também advogado explica as três causas que fazem com que seja decretada a prisão preventiva a quem esteja supostamente em conflito com a lei como é o caso de José Filomeno dos Santos "Zenu", filho do ex-Presidente José Eduardo dos Santos, detido no Hospital Prisão de S.Paulo e o empresário Jean-Claude Bastos de Morais, na Cadeia de Viana.

"A primeira razão costuma ser o perigo de perturbação da investigação criminal e, por conseguinte da alteração das provas. Segundo, costuma ser o perigo de fuga da pessoa que está presa. E uma terceira razão que não foge muito da mesma lógica de algum receio de que o processo não venha a ser concluído corretamente".

Liberdade para os detidos?

Ouvir o áudio 03:25

Quando serão libertados "Zenu" e Bastos de Morais?

Face a esta realidade, os detidos devem ser postos em liberdade? Perguntou a DW África ao jurista Albano Pedro.

"Se os receios mantém-se e se as circunstâncias mantém-se, obviamente 45 dias ainda não é nada. Poderão estender-se e o mais importante é que a Procuradoria não passe os 90 dias que, tem sido por regra, o prazo estabelecido para a prisão preventiva".

O combate à corrupção e à impunidade é a bandeira do atual Presidente angolano João Lourenço. Para além de "Zenú" dos Santos e Bastos de Morais, também está na cadeia o antigo ministro dos Transportes Augusto Tomás por alegadamente estar envolvido no desvio de valores do Conselho Nacional de Carregadores. Mas nos últimos tempos, as detenções abrandaram.

Analisar impacto das acusações

O investigador e ativista cívico Nuno Álvaro Dala entende que o momento é de analise sobre o impacto das acusações.

Angolanischer Aktivist Nuno Dala (DW/M.Luamba)

Nuno Dala

"Nomeadamente em termos de apreciar até que ponto os cidadãos, os partidos políticos e de mais organizações da sociedade civil consideram esse trabalho todo como positivo e até que ponto isso tem estado a contribuir para o processo de credibilização das instituições públicas, por um lado. Por outro, o de ajuda do processo de promoção de uma governação transparente comprometida com atos de combate a corrupção como mecanismo para normalizar o país".

Segundo Nuno Álvaro Dala, está-se também a analisar o impacto que as detenções criaram no seio do MPLA, o partido no poder. O ativista aponta outra razão do abrandamento das detenções no âmbito da "cruzada contra a corrupção".

"Também visa dar fôlego ao processo que venha a seguir que é o de repatriamento de capitais que recebeu um reforço há dias com a lei aprovada pelos deputados e que não esperem a mão pesada do Estado, antes pelo contrário eles próprios repatriarem o capital sob pena de sofrerem sanções", concluiu Dala.

Assistir ao vídeo 01:46

Angola: Presos de luxo provocam "romaria" à prisão de São Paulo

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados