Angola: ONG denuncia violência policial contra manifestantes | Angola | DW | 28.09.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: ONG denuncia violência policial contra manifestantes

A polícia angolana confirma que reteve 13 participantes da marcha do desemprego em Luanda, no fim de semana, mas nega agressões. ONG Friends of Angola exige abertura de investigação para responsabilizar os responsáveis.

Protesto em Luanda contra o desemprego em Angola

Jovens marcham contra o desemprego, em Luanda

A Organização Não Governamental (ONG) Friends of Angola recebeu denúncias de detenções e agressões na marcha do desemprego em Luanda, ocorrida no sábado (26.09). A polícia angolana negou as agressões e informou que reteve 13 pessoas, que foram posteriormente libertadas.

Segundo a Friends of Angola, vários cidadãos que aderiram às manifestações na capital angolana alegam ter sido agredidos por supostos agentes da Polícia Nacional. Entre os feridos, está um elemento daquela organização, que terá sido "submetido a uma tortura física" e ficado com o telemóvel apreendido.

Assistir ao vídeo 02:29

Angola: Marchas marcam três anos de governação de João Lourenço

O porta-voz do comando provincial de Luanda negou quaisquer atos de violência por parte da polícia, confirmando, no entanto, terem sido levados para a esquadra 13 manifestantes. "Não foram detidos, foram retidos. Foram levados, porque impediram o trânsito, fizeram barreiras e arremessaram objetos", afirmou à agência de notícias Lusa.

Nestor Goubel garantiu que ninguém foi agredido e que não houve feridos entre manifestantes ou polícias. "A manifestação é um direito de cidadania e nós respeitamos. Nós fizemos o nosso trabalho e foi um belo exemplo de democracia. As pessoas foram levadas à esquadra, tivemos uma conversa pedagógica e foram libertadas", acrescentou o responsável.

Apelo às autoridades policiais

No comunicado enviado à Lusa, a ONG Friends of Angola apela ao Governo e ao comando provincial de Luanda da Polícia Nacional para que "oriente os seus efetivos a terem em conta o respeito pelos direitos dos cidadãos envolvidos" e pedem a devolução do telemóvel do membro daquela organização.

A ONG exige ainda às autoridades angolanas a abertura de uma investigação que visa responsabilizar judicialmente os autores e mandantes das agressões.

No sábado, centenas de angolanos saíram à rua para exigir o cumprimento da promessa eleitoral do Presidente de criar 500 mil empregos. Os manifestantes demonstraram a sua insatisfação com a governação de João Lourenço, que assinala três anos como Presidente de Angola.

Convocada por vários grupos de ativistas e da sociedade civil em 12 províncias e alguns países da diáspora angolana, a marcha do desemprego juntou sobretudo jovens e estudantes.

Leia mais