1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Angola MPLA António Venâncio
Foto: Nelson Francisco Sul/DW

Angola: Venâncio tem medo de ser incompreendido no MPLA

Nelson Camuto (Malanje)
8 de novembro de 2021

Terminou o prazo para a entrega de candidaturas à liderança do MPLA. Subcomissão deverá apreciar intenção de António Venâncio concorrer ao posto, embora o candidato assuma recear algumas figuras dentro e fora do partido.

https://p.dw.com/p/42kCM

Os membros da subcomissão de entrega de candidaturas à liderança do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) reuniram-se esta segunda-feira (08.11), em Luanda, para avaliar as candidaturas e a missiva do pré-candidato António Venâncio ao cargo de presidente do partido. Em cima da mesa está uma possível prorrogação do prazo da apresentação das candidaturas. 

Angola | Straßen mit der MPLA-Flaggen vor dem MPLA-Parteitag
Bandeira do MPLAFoto: N. Camuto/DW

Segundo fonte do MPLA a que DW teve acesso, o encerramento da apresentação das candidaturas à liderança deste partido compele a subcomissão à apreciação da missiva de António Venâncio, enviada no dia 4 de novembro, na qual o pré-candidato pede o alargamento do prazo de candidaturas. A DW procurou ouvir o secretário-geral do MPLA, Paulo Pombolo, mas este recusou-se a prestar declarações. “Eu não tenho nada a falar contigo”, frisou.

Medo da incompreensão

Embora António Venâncio se tenha mostrado vezes sem conta irredutível na sua intenção de se candidatar à liderança do MPLA no oitavo congresso que acontece em dezembro, o candidato receia as represálias dentro do partido.

“O medo que eu tenho é de não ser compreendido, pelos meus melhores amigos, pelos meus melhores camaradas, pelos meus familiares, é esse o medo que eu tenho”, adiantou.

De acordo com o jurista Joaquim Ernesto, os receios já eram de se esperar para quem se opõe ao núcleo duro do MPLA. Segundo ele, houve má-fé por parte da subcomissão face às desvantagens que o pré-candidato enfrenta.

João Lourenço, Präsident von Angola, im Gespräch mit DW
João Lourenço, Presidente de AngolaFoto: DW/M. Luamba

“Se ele fala que está a ser coagido, ao ser ameaçado, já não se trata de uma questão de partido, trata-se de uma questão de crime. Ele deve reunir todas essas provas que, de certa maneira, se consubstanciam em ameaças sobre a sua candidatura”, aconselha o jurista.

Elogiado pela sociedade civil

Muitos membros de organizações da sociedade civil elogiam a coragem de António Venâncio. Porém, até dezembro ainda há muito calendário político a anteceder a realização do congresso do partido que governa Angola há cerca de 46 anos.

Para o ativista Israel da Silva, advogado em Malanje, o prazo para entrega de candidaturas à liderança da força no poder não será estendido pela subcomissão.

“Vão fazer todas as manobras dilatórias para o manter”, garantiu. “A não ser que haja uma pressão externa, assim como o exemplo de outras vozes mais pesadas”, concluiu.

Que influência terá JES no cenário político angolano?

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado