1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Deutschland | SPD Sonderparteitag Abstimmung Ampel-Koalition | Scholz
Foto: Hannibal Hanschke/REUTERS

Alemanha exemplo na luta contra as mudanças climáticas

Lusa | af
4 de dezembro de 2021

Olaf Scholz que se prepara para ocupar o lugar de chanceler da Alemanha, quer que o país seja um exemplo na batalha contra as alterações climáticas.

https://p.dw.com/p/43q6w

O social-democrata Olaf Scholz, indicado para suceder a partir da próxima quarta-feira (08.12) a Angela Merkel na chancelaria alemã, defendeu este sábado (04.12), que a Alemanha deve dar o exemplo na luta contra as alterações climáticas e, como grande país industrial, "mostrar" a outros o caminho.

"Nós, na Alemanha, temos uma grande responsabilidade para que isso aconteça", realçou Scholz, em Berlim, num congresso extraordinário dos membros do seu partido SPD para aprovar o contrato de coligação celebrado com os Verdes e os Liberais para formar o próximo governo.

Olaf Scholz
Olaf ScholzFoto: Clemens Bilan/Getty Images

Para Olaf Scholz, se a Alemanha, uma das maiores economias do mundo, não acelerar a transição energética, "ninguém desenvolverá as tecnologias e ninguém mostrará aos outros como fazê-lo", disse o social-democrata. 

"Fazemo-lo por nós próprios mas, ao mesmo tempo, fazemo-lo por todos os outros, porque somos nós que mostramos o caminho (...), como um dos países industriais mais prósperos do mundo, com as tecnologias mais modernas e os melhores cientistas", sublinhou. 

O acordo de coligação atribui um lugar de destaque à luta contra as alterações climáticas e prevê o objetivo da eliminação acelerada do carvão a partir de 2030, bem como alcançar 80% de eletricidade produzida de energias renováveis.

Symbolbild Klima
Foto: picture-alliance/AP Photo/M. Probst

Este sábado, ativistas ambientais manifestaram-se em frente à sede do SPD, onde foi realizado o congresso, parcialmente 'online', por defenderem que o programa da futura coligação não contém propostas suficientes em termos de transporte e redução do tráfego aéreo. 

As organizações ambientais têm criticado repetidamente que o conteúdo do acordo não é suficiente para colocar a Alemanha no caminho para a descida de 1,5°C estabelecida no acordo climático de Paris.

Refira-se que o acordo de coligação (SPD/Verdes e FDP), foi aprovado este sábado (04.12), com 98,8% dos votos dos membros do SPD. Este domingo (05.12) será a vez dos membros do FDP votaram no documento, enquanto os Verdes prometem que até segunda-feira (06.12), vao apresentar o resultado da consulta pública que estão a fazer às bases do partido.

Chimanimani: Sobrevivência de agricultores ameaçada