1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Guerra aberta ou de guerrilha no Iraque

Comissão parlamentar examinará desaparecimento de policiais alemães. Berlim a favor da ONU mas contra o envio de soldados. Organizações de ajuda humanitária temem pela população civil no Iraque.

default

Rebeldes sunitas nas ruas de Falluja

O governo alemão exclui a possibilidade de enviar soldados ao Iraque, mesmo sob mandato das Nações Unidas. Trata-se de uma "questão de credibilidade", segundo o deputado social-democrata Dieter Wiefelspütz, referindo-se indiretamente à posição pacifista da Alemanha desde o início do conflito.

Não obstante, Berlim continua exigindo um "papel mais forte" da ONU para "legitimar o processo de transição", disse o porta-voz da coalizão Thomas Steg, nesta quarta-feira (14), na capital. "O governo alemão saúda expressamente o anúncio do presidente norte-americano, de manter o cronograma para entrega da soberania a um governo interino no dia 30 de junho", declarou.

30 de junho

Em sua declaração, o presidente norte-americano, George W. Bush, mostrou-se firme na disposição de quebrar a resistência dos rebeldes sunitas e xiitas, reforçando as tropas no Iraque. Bush manteve, porém, a entrega do poder em 30 de junho, do contrário "muitos iraquianos questionariam nossas intenções e se sentiriam traídos em suas expectativas".

O deputado social-democrata Gernot Erler, porta-voz de Política Externa de seu partido, manifestou dúvidas de que seja possível manter a data para a entrega do poder. Não haveria como passar o controle às tropas do Iraque.

Guerrilha ou guerra civil

Para Bush, o Iraque não passa nem por uma rebelião, nem por uma guerra civil. Na maior parte do país, a situação seria "relativamente estável". Ele rechaçou ainda qualquer comparação com o Vietnã.

Na Alemanha, predomina a opinião de que "os acontecimentos no Iraque se encaminham cada vez mais para um guerra aberta", como disse à DW-RADIO Michael Lüders, especialista em Oriente Médio.

Chinesische Geiseln im Irak wieder frei

Três dos sete reféns chineses libertados em 12 de abril

Para o general Klaus Reinhardt, o seqüestro de estrangeiros é típico de uma guerra de guerrilha. O militar alemão está convencido de que pela força, o conflito não poderá ser solucionado: "O uso da força militar pode, no máximo, abafar um pouco a rebelião. Mas não fará com que voltem a reinar ordem e tranqüilidade, pois violência gera violência", declarou à DW-RADIO.

Policiais alemães

O ataque a dois policiais da tropa antiterror alemã GSG-9 no Iraque será examinado por uma comissão no Parlamento. O ministro do Interior, Otto Schily, apresentará os resultados das investigações assim que elas forem concluídas. A morte dos policiais não foi confirmada oficialmente pela dificuldade de acesso ao local onde se supõe terem sido enterrados seus corpos. Mas jornais como o Daily Telegraph britânico e o Bild alemão publicaram a foto de um morto, afirmando tratar-se de um dos agentes alemães.

Os policiais estavam no último carro de um comboio de seis veículos alemães que se dirigiam a Bagdá, provenientes de Amã, na Jordânia. Eles iriam substituir outros agentes que cuidam da segurança da embaixada alemã. Optou-se pelo caminho por terra, usado inúmeras vezes anteriormente, para poder transportar armas e equipamento especial.

ONGs preocupadas com civis

Centenas de estrangeiros deixaram o Iraque desde a nova onda de violência, entre eles vários alemães que integravam equipes de ajuda humanitária. Frank Mc Areavev, da ONG Help manifestou sua frustração à DW-RADIO: "Se não recuperarmos agora nosso equipamento, todo o trabalho terá sido em vão".

Irak Wasserversorgung Nader Fluss Hillah Bagdad Wasser

Água é um grande problema no Iraque, onde o abastecimento foi completamente destruído durante a guerra no ano passado

Outras ONGs estão preocupadas com a população civil no Iraque. A ajuda humanitária prosseguirá, mas em forma reduzida, declarou a Diakonie-Katastrophenhilfe, da Igreja Protestante nesta quarta-feira (14), em Stuttgart, que se engajou em restabelecer o abastecimento de água em algumas cidades.

O diretor do comitê de médicos Cap Anamur, Elias Bierdel, lamentou não poder mais enviar estrangeiros ao Iraque. O funcionamento de duas clínicas e a construção de um hospital em bairros pobres xiitas só poderão ser garantidos através de pessoal iraquiano ou jordaniano, "porque pessoas de origem árabe podem se movimentar com muito mais segurança".

O Unicef, Fundo das Nações Unidas para a Infância, também tenta prosseguir seu trabalho no Iraque com pessoal local. A construção de escolas e sistemas de abastecimento de água estaria a cargo de firmas contratadas, segundo Helga Huhn, da sede alemã do Unicef, em Colônia.

As crianças, segundo ela, são duplamente vítimas da escalada do conflito: estão entre os mortos e feridos, ou continuam traumatizadas e fechadas em casa, sem poder ir à escola. "Nessas condições, não têm nada para fazer, a não ser sentir medo o dia todo", acrescentou.

Leia mais