1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

A malandragem paulistana de Criolo

O aclamado cantor começou no rap, mas sua eclética e criativa música, que transita por diversos gêneros, é um retrato sonoro e atual do Brasil urbano. Criolo inicia turnê europeia pela Alemanha.

Criolo Doido começou a cantar quando ainda era quase uma criança. Aos 11 anos aprendeu que o rap era sua forma de expressão "ao ver um amigo compor um verso". Aos poucos ele foi escrevendo não só seus versos de rap e suas canções, mas também a história da cena hip hop de São Paulo.

Ele foi o criador da Rinha dos MCs, festa de hip hop dedicada às batalhas de improviso. Uma arte que o próprio artista não domina. "Eu admirava o freestyle (improvisação) e via tantos jovens talentos. A vontade era criar um espaço de encontro e incentivar a proliferação dessa arte", declarou Criolo em entrevista à DW Brasil.

Em 2011, ao lançar seu segundo disco, Nó na orelha , via internet, ele mudou seu nome artístico para apenas Criolo. "Enxergo o doido como um elogio, uma coisa positiva, uma pessoa que consegue viver livremente, totalmente. Tirei o doido pois ainda estou buscando essa condição e não me vejo à altura de sustentar esse elogio", explicou o músico.

Mistura de gêneros

Depois de mais de duas décadas fazendo música, Criolo alcançou o reconhecimento com Nó na orelha, um disco inclassificável. Uma viagem que começa com Bogotá e sua levada afrobeat. A bela Não existe amor em São Paulo é uma balada que descreve de maneira única a vida na grande metrópole. O rap aparece em suas diversas derivações, como em Grajauex ou Sucrilhos.

O ecletismo de Criolo não é apenas musical – também a interpretação e as letras são feitas com naturalidade poética e descritiva, cheias de referências à cultura pop e brasileira. "Esse processo foi natural pra mim. Nunca escolhi compor um samba, um soul ou um bolero. Simplesmente compus", afirmou Criolo.

O samba Linha de frente brinca com os personagens das histórias em quadrinho da Turma da Mônica, de Maurício de Souza. O disco ainda passa pelo bolero em Freguês da meia noite, que flerta de maneira charmosa com o brega. Assim como a cidade de São Paulo, o disco reúne diversidade e energia.     

O talento de Criolo encontrou boa aceitação não só entre o público e a crítica especializada, que considerou Nó na orelha o grande disco brasileiro de 2011, mas também em nomes como Chico Buarque e Caetano Veloso.

Mas como é, depois de mais de 20 anos de carreira, ter sua voz ouvida por milhões de pessoas? Com simplicidade, o músico disse que tem um "sentimento de gratidão pela solidariedade em relação à sua pessoa e sua música".

Brasilianische Sänger Criolo

O talento de Criolo foi reconhecido por nomes como Caetano Veloso e Chico Buarque.

Forte expressão artística

A bela voz de Criolo transita com naturalidade entre o intimista e o irônico, sem nunca perder a força, ao disparar sua poética das ruas. Filho de cearenses, mas nascido em São Paulo, seu sotaque passa longe do clichê do português com cadência italiana e um relapso natural para concordâncias.

A arte e a cultura de rua é, de certo modo, uma manifestação que se encaixa na cidade. As cores do grafite cobrem o cinza, achando beleza entre calçadas quebradas e o lixo. As horas sentado no fundo do "busão", com o fone de ouvido, assistindo à vida de tantos outros iguais a ele pela janela, é o momento em que qualquer pedaço de papel e uma simples caneta se tornam armas para expressar não só indignação, mas também amor.

Para o cantor, o rap é "uma expressão de arte indiscutivelmente forte. Ele dá voz a muitas pessoas que talvez não tenham outro modo de se expressar". Simples, esses versos pode ser intensos, emocionantes e efetivos, como as palavras de Criolo.

Malandro paulistano 

Criolo é uma malandro genuinamente paulistano. Sem tirar vantagens, mas acreditando no trabalho duro, sua malandragem é uma mistura de talento para sobreviver a uma realidade dura e capacidade de transformar esse dia a dia em lindas canções, que vão agradar hippies chiques da Vila Madalena, modernos do baixo Augusta e frequentadores das gafieiras do Arouche.

Esta não é a primeira vez que Criolo se apresenta fora do Brasil. "Em todos os lugares pelos quais passei, percebi que as pessoas estão abertas para escutar músicas de outros lugares. Esse contato com as pessoas tem sido, por si só, muito enriquecedor", disse o cantor.

Ele leva suas canções pela primeira vez para a Alemanha. "Estou feliz em poder apresentar, para o público alemão, nossas ideias por meio de canções. Estamos felizes e ansiosos. O show é muito intenso, os músicos que me acompanham são extremamente talentosos, trazem força para o palco. No mais, é uma apresentação sincera e cheia de boa energia", completou.

Cada audição de Nó na orelha é uma nova descoberta da complexidade e diversidade da música brasileira. Ao contrário do que canta em seu maior sucesso, Criolo prova, mesmo sem querer, que existe muito amor em São Paulo. Um amor que, agora, ele espalha pelo mundo.  

Criolo se apresenta no clube Gretchen, em Berlim, neste sábado (17/11). A turnê europeia do músico ainda passa por Inglaterra, França, Suíça, Bélgica, Holanda e Portugal.

Autor: Marco Sanchez
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais