1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique é dos países mais afetados pelo HIV/SIDA

Um relatório divulgado esta quarta-feira (16.07) pela ONU coloca Moçambique na lista dos 15 países mais afetados pelo HIV/SIDA. Estima-se que, em 2013, houvesse 1,4 milhões de novos casos no país.

O Programa Conjunto da ONU para o HIV/SIDA (ONUSIDA) estima que, em 2013, tenham ocorrido 2,1 milhões de novos casos da infeção a nível mundial. Desses, mais de 75 por cento ocorreram em apenas 15 países, e um deles é Moçambique. O resto da lista é composto pela África do Sul, Nigéria, Índia, Quénia, Uganda, Zimbabué, Tanzânia, Estados Unidos da América, Zâmbia, Malawi, China, Etiópia, Federação Russa e Brasil - os mesmos que compõem a lista de onde reside a maioria das população mundial que vive com HIV.

Com cerca de 1,6 milhões de pessoas a viver com HIV/SIDA, Moçambique acolhe 4 por cento dos casos que se estima existirem a nível mundial, e 6 por cento da África subsaariana, segundo o relatório da ONU. Aliás, é nesta região que residem 71 por cento do total das pessoas infetadas, com dez países a compor 81 por cento dos casos na região, incluindo Moçambique.

Mosambik Schwierigkeiten mit HIV-Test medizinisches Personal Cabo Delgado

Moçambique tem apostado no tratamento das pessoas infetadas

Apesar de, tanto na região como no país, o número de ocorrências ter aumentado entre 2005 e 2013, em ambos os casos a prevalência diminuiu. Moçambique passou de 11,1 por cento para 10,8. Uma tendência que é replicada nalguns dos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa): na Guiné-Bissau de 4 para 3,7 por cento, e em São Tomé e Príncipe de 1,4 para 0,6 por cento. Cabo Verde manteve-se nos 5 por cento. E em Angola houve um aumento de 1,9 para 2,4 por cento.

Foco no tratamento em vez de prevenção

José Enrique Zelaya Bonilla é diretor da ONUSIDA de Moçambique e considera que o surgir de novos casos em grande escala no país se deve "basicamente à falta de atividades na área de prevenção". Zelaya explica que "nos últimos anos, a resposta tem sido mais forte no reforço das atividades de tratamento. Sendo que o país, só nos últimos anos, tem mais de 60% das pessoas que precisam de tratamento a receber tratamento".

A aposta no tratamento obteve resultados que o responsável vê com bons olhos, mas há lacunas que devem ser preenchidas para que estes sejam mais eficazes. "Ainda temos outros problemas lá: a percentagem de pessoas que permanecem nos programas de tratamento depois de um ano é de aproximadamente 72 por cento nos adultos e 66 por cento das crianças. Dito de outra forma, mais de um quarto das pessoas que começam o tratamento, deixam-no antes do primeiro ano. E isso impede que se tenha um bom impacto na resolução das novas infeções", alerta.

Mosambik Schwierigkeiten mit HIV-Test Patienten Cabo Delgado

A aposta nas atividades de prevenção é apontada como uma prioridade necessária

Ao contrário do que acontece em geral na África subsaariana, onde houve uma queda de 39 por cento, em Moçambique, o número de mortes por causa da infeção aumentou em 13 por cento, desde 2005.

Mulheres mais vulneráveis

O relatório nota ainda que a maioria das infeções ocorre em adultos com mais de 25 anos, mas que uma grande proporção dos casos corresponde a mulheres jovens e adolescentes, o que, muitas vezes, está relacionado com situações de violência de género e falta de acesso a educação sexual e serviços de saúde.

José Enrique Zelaya destaca que as atividades de prevenção devem focar-se nas jovens: "Há a necessidade de olhar para atividades de prevenção, especialmente nas raparigas, e outras ações para diminuir a vulnerabilidade das pessoas assim como o estigma e a discriminação das populações mais afetadas".

Ouvir o áudio 03:29

Moçambique é dos países mais afetados pelo VIH/SIDA

Em Moçambique, metade das pessoas portadoras do HIV/SIDA vive em apenas 18 distritos, o que corresponde a 14% dos distritos do país. A densidade de casos coincide com o corredor da Beira até Mutare, que liga o país ao Malawi, Zâmbia e Zimbabué, com o Corredor de Desenvolvimento de Maputo e com a área à volta de Quelimane.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados