1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Bonga: "Um dia Angola vai ser melhor"

Em entrevista à DW África, o músico angolano diz ter "esperança" na CASA-CE para a alternância de poder no país. A poucos dias das eleições gerais, Bonga lamenta não ter o direito de votar no exterior.

A Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE), partido de Abel Chivukuvuku, poderá influenciar uma viragem na liderança do poder em Angola. Isto é o que acredita o músico angolano Bonga. Em entrevista à DW África em Portugal, pouco antes de subir ao palco num festival de música nos arredores de Lisboa, ele disse ter alguma "esperança" no segundo maior partido da oposição no seu país.

"Há uma certa esperança nessa CASA-CE, por exemplo, que está aí com uma força incrível. A própria UNITA [União Nacional para a Independência Total de Angola] está com uma força tremenda. Mas não sei se todas aquelas pessoas que vão às manifestações estão inscritas no caderno eleitoral e podem votar. Este é que é o grande problema", avalia.

Angola politischen Rallye von CASA-CE Partei in Benguela Provinz

A força da oposição: Multidão acompanha comício de Abel Chivukuvuku em Benguela (julho de 2017)

Entretanto, o cantor receia a falta de transparência nas eleições gerais de 23 de agosto. Para ele, esta é uma das fragilidades das eleições em Angola que, segundo acredita, estão sujeitas a fraudes engendradas pelo partido no poder, o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA). "Eu não espero grande coisa, porque as coisas são falseadas de início".

Democracia frágil

Bonga recorda uma das canções que fez, há alguns anos, sobre as eleições angolanas. "Eu já fiz uma que foi aquela do roubo nas eleições. Quer dizer, quando a coisa não é normal, quando não corre bem, é porque há interesses, há jogadas, há falcatruas".

"Falcatruas" que, lamenta, poderão ocorrer mais uma vez nas eleições gerais de 23 de agosto. "Para a democracia isso é mau", afirma, alertando para a fragilidade existente em Angola: "Infelizmente, queiramos ou não, há uns [partidos] que cresceram muito e há outros que, ao contrário, regrediram", diz, sem citar nenhuma força política.

Segundo Bonda, "há partidos que quase desapareceram; há partidos cujos chefes foram assassinados; há partidos que estão aí sem força económica e financeira, e isso conta bastante na balança".

Portugal Angolanischer Sänger Bonga

Bonga durante apresentação em Portugal

Por outro lado, "aquele que tem tudo, inclusive com [a cumplicidade de] parte da comunidade internacional, vira o disco e toca o mesmo, o que é muito triste. É o mesmo que pôs o país no estado em que se encontra", fala o músico, fazendo referência à falta de alternância no poder em Angola.

Esperança no futuro

Atento, permanentemente, ao que acontece no seu país natal, incomoda-lhe o fato de os angolanos no exterior não serem chamados a votar. "Nós, angolanos residentes no exterior, não somos tidos nem achados, porque não votamos do exterior para a nossa terra de origem, o que é muitíssimo mau. Não criamos as condições necessárias para que o angolano residente cá fora, com a vida feita cá fora, [possa ter direito de votar]".

Bonga, um dos músicos que elevam o nome de Angola pelo mundo, recusou vários convites para participar na campanha eleitoral, que antecede a votação do dia 23 de agosto. O músico fez esta revelação na entrevista à DW.

Ouvir o áudio 03:18

Bonga: "Um dia Angola vai ser melhor"

"Fui convidado. Vários foram os convites. Não direi de quem, mas a mim já não me levam na curva, porque tenho mais o que fazer. Não é que não seja importante, mas não vou participar [na campanha eleitoral]".

A poucos dias das eleições gerais, o cantor acredita que "um dia Angola vai ser melhor e boa para toda a gente: doutor, o homem da rua, o engenheiro, o analfabeto inclusive", acrescenta.

O cantor angolano falou à DW no dia em que atuou pela primeira vez no festival Sol da Caparica, que decorreu na Margem Sul do Tejo, na semana passada (de 10 a 13 de agosto). Bonga disse ainda que tem muitos espetáculos na agenda, com produção a partir de Paris. Revelou também que está em fase de negociação o seu próximo concerto na Alemanha, possivelmente ainda para este ano.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados