1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

15+2 prometem continuar a lutar por sociedade justa em Angola

Os 17 ativistas foram condenados há um ano por atos preparatórios de rebelião e associação de malfeitores. Um ano depois, estão em liberdade. E afirmam que a condenação provou que os angolanos vivem "numa ditadura".

default

Alguns dos 15+2 ativistas durante julgamento, em novembro de 2015

Depois de quase quatro meses de audiências, a 28 de março de 2016, o Tribunal Provincial de Luanda condenou os ativistas do processo conhecido como 15+2 a penas de dois a oito anos de prisão efetiva.

Hoje em liberdade, desde junho do ano passado, após uma amnistia, um dos 15+2 ativistas, José Gomes Hata, diz que a condenação confirmou que Angola vive "numa ditadura".

"Para uns somos heróis, mas para outros somos vilões", comenta Hata em entrevista à DW África. "Infelizmente, temos de conviver com estas duas visões antagónicas que o regime incutiu na mentalidade da própria sociedade."

Benedito Jeremias, outro dos ativistas condenados em 2016, considera o 28 de março como uma data histórica: "Mais uma vez, conheceu-se o verdadeiro carácter do regime angolano. Fomos condenados de forma injusta e irresponsável pelo regime. Não nos deviam ter condenado, porque não havia razões para nos condenar", diz.

Angola Aktivisten Nito Alves und Arante Kivuvu in Luanda

Dois dos 15+2 ativistas, Nito Alves e Arante Kivuvu, durante a marcha contra a penalização do aborto em Angola, em março de 2017

Liberdade condicionada

Mas, um ano depois, a liberdade dos ativistas continua condicionada, refere Hata.

Recentemente, a 24 de fevereiro, um grupo de jovens tentou realizar uma manifestação pacífica para solicitar o afastamento do ministro da Administração do Território, Bornito de Sousa, por conduzir o processo eleitoral e ser, simultaneamente, candidato do partido no poder, o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), às eleições gerais marcadas para agosto. Mas a polícia reprimiu o protesto.

Ouvir o áudio 02:47

15+2 prometem continuar a lutar por sociedade justa em Angola

A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch condenou a ação das forças de segurança: "As autoridades angolanas estão a responder a protestos pacíficos com bastões e cães policiais. O Governo precisa de investigar a repressão policial contra os manifestantes e responsabilizar os responsáveis", afirmou Daniel Bekele, diretor da HRW para África, em comunicado.

Ainda assim, os jovens prometem continuar a protestar contra ações do Governo angolano, sempre que os direitos dos cidadãos estejam a ser violados.

José Gomes Hata avisa que nem mesmo ameaças de morte impedirão os jovens de lutar por uma sociedade justa em Angola: "Isso não nos vai demover dos nossos ideais, por uma sociedade transparente, inclusiva e democrática", afirma.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados